GNR fiscaliza quem conduz pelas vias do meio e da esquerda

A operação irá começar esta sexta-feira, dia 12, e durará até domingo, dia 14.

A GNR vai realizar, entre sexta-feira e domingo, uma operação de fiscalização para sensibilizar os condutores para a circulação rodoviária pela via mais à direita, indicou esta quinta-feira a corporação.

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana refere que a operação, denominada "Via Livre", vai realizar-se em todo o país através de militares dos comandos territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito.

Segundo aquela força de segurança, a operação de fiscalização visa "evitar a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda, sem que exista tráfego na via mais à direita das autoestradas e vias reservadas a automóveis e motociclos".

Esta conduta, precisa a GNR, provoca "constrangimentos à segurança rodoviária e à fluidez do tráfego, o que muitas vezes motiva a ocorrência de comportamentos desviantes e o cometimento de outras infrações por parte dos restantes condutores, potenciando as ultrapassagens pela direita ou a redução brusca da velocidade", fatores que aumentam as possibilidades de ocorrência de acidentes.

A GNR refere ainda que tem dedicado o seu esforço na consciencialização dos utentes da via para a não adoção de comportamentos de risco, que constituam uma ameaça para a segurança dos condutores, passageiros e peões, procurando assim reduzir os índices de sinistralidade.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.