Homem que atropelou militar da GNR detido e presente sábado a tribunal

Um militar da GNR foi esta sexta-feira atropelado por um veículo cujo condutor desobedeceu a ordens que impediam o acesso a uma das zonas onde lavra o incêndio de Albergaria-a-Velha.

O homem que atropelou esta sexta-feira um militar da GNR já foi detido e vai ser presente no sábado no tribunal de Albergaria-a-Velha, afirmou o tenente daquela força de segurança, adiantando que o guarda também já teve alta médica.

Em declarações aos jornalistas no posto de operações em Albergaria-a-Velha, o tenente da GNR, Renato Figueiredo, explicou que o incidente ocorreu quando o militar estava a fazer o "corte na via" para auxiliar algumas operações de rescaldo nas proximidades de habitações e as forças de segurança que se encontravam no local.

"O condutor insistiu por diversas vezes que queria passar, o nosso militar impôs-se. Entretanto, o condutor começou em aceleração, o nosso militar mais uma vez levantou a mão e é daí que o condutor acelera e vai na direção do militar, causando o atropelamento", referiu.

O militar, que foi atingido pela viatura, foi socorrido no local e transportado para o hospital de Aveiro, de onde já teve alta médica, apesar dos ferimentos "nas pernas, braços e costas".

Quanto ao suspeito, o tenente da GNR adiantou que se encontra detido nas instalações daquela força de autoridade e que no sábado vai ser presente ao tribunal de Albergaria-a-Velha.

O incidente ocorreu em Assilhó, local onde está montado o posto de operações de combate aos incêndios de Albergaria-a-Velha e Águeda, no distrito de Aveiro.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.