"Este sítio é gerido por amadores". As fotos de um passageiro irritado

Um só balcão aberto esta tarde no controlo de passaportes para passageiros não Schengen, no aeroporto Humberto Delgado. A fila fala por si

No aeroporto, as filas de espera no controlo dos passaportes, para apanhar voo, não dão tréguas. Hoje à tarde está assim, como se pode ver pelas imagens que foram enviadas ao DN por um passageiro a beira de um ataque de nervos, depois de quase uma hora de espera para passar no controlo.

"Os habituais 45 minutos de demora para sair [do aeroporto], Um funcionário a carimbar passaportes de fora da UE, é uma anedota", comenta o cidadão americano, autor destas imagens, "Os passageiros na fila estão a passar-se, é absolutamente inconcebível, duas pessoas sem fazer nada nas chegadas. Este sítio é gerido por amadores".

A situação desta tarde mostra que, apesar das sucessivas denúncias, incluindo no DN, sobre o funcionamento deficiente que crescentemente tem afetado os passageiros no aeroporto Humberto Delgado, e que apesar das preocupações já manifestadas publicamente pelo presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, sobre o efeito negativo destes problemas para a imagem da capital, tudo continua por resolver.

Fernando Medina disse no início desta semana estar "muito preocupado com a situação do Aeroporto de Lisboa", que "como era antecipável, se encontra numa situação de esgotamento", por "falta de decisões, ao longo dos anos", para evitar que se chegasse a este ponto.

Para autarca, há muito que se deveria ter feito investimento público para expandir e aumentar a capacidade no aeroporto Humberto Delgado. E pelo que não se fez, Medina responsabiliza o anterior governo, liderado por Passos Coelho, que "considerou" esse investimento "um devaneio de governações socialistas".

Os problemas no aeroporto são conhecidos, com turistas à espera de bagagens, e fazer filas no controlo de passaportes, mas também com perturbações a avolumarem-se também nas partidas. O lugar do aeroporto Humberto Delgado, no ranking de atrasos, com apenas 45,5% de pontualidade, diz quase tudo: é o 12.º pior entre 1193 aeroportos.

Fernando Medina, que considera que a situação "está a causar impactos negativos na imagem da cidade e do país", reforçou esta semana "o apelo e a exigência da cidade de Lisboa para que rapidamente sejam tomadas as decisões que se impõem", Não deixou, no entanto de manifestar a sua "convicção" de que "a situação se vai agravar antes de conhecer melhorias".

As imagens desta tarde, chegadas ao DN, parecem dar-lhe razão.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.