Espinho vai apoiar famílias locais com 750 euros por bebé

O programa de "cheques-bebé" foi lançado esta quinta-feira em Espinho e têm como objetivo combater o "problema demográfico muito sério" que se vive em Portugal.

O município de Espinho lançou esta quinta-feira um programa de "cheques-bebé" destinado a apoiar as famílias locais com 500 euros pelo nascimento de cada filho e mais 250 euros no segundo ano de vida da criança.

Os "cheques-bebé" vão apoiar os agregados familiares que, residindo no concelho há pelo menos 12 meses, tenham tido filhos ou adotado crianças com 1 ou 2 anos de idade. A medida aplica-se a crianças nascidas desde o dia 1 de janeiro de 2019.

A expectativa da autarquia é que o novo programa venha a beneficiar mais de 220 crianças até final do ano, já que essa é a média de nascimentos que se tem vindo a registar no concelho ao longo dos últimos anos.

O presidente da Câmara Municipal espera assim que o programa possa funcionar como "um incentivo" à decisão de ter filhos e como "um contributo" para melhorar as condições socioeconómicas das famílias com orçamentos mais restritivos.

"Portugal está infelizmente a viver um problema demográfico muito sério e tem vindo a perder população. Todos tendem a pensar que isto é, sobretudo, um problema dos territórios de baixa densidade, no interior, mas não é verdade, porque afeta também as grandes cidades e Espinho teve igualmente um decréscimo na taxa de natalidade", reconheceu Joaquim Pinto Moreira.

O autarca defende que as instituições sociais de apoio à infância e os próprios empregadores também se têm que envolver no esforço nacional com vista à mudança desse cenário, mas espera que o "cheque-bebé" possa já facilitar a gestão das primeiras necessidades dos novos munícipes do concelho e, para usufruto desse apoio, nota que "basta apresentar na Câmara o requerimento" para o efeito.

A vereadora da Ação Social, Lurdes Ganicho, reconhece que o apoio de 750 euros "não vai suprir todas as necessidades" dos recém-nascidos, mas também o considera um estímulo à natalidade numa cidade "com condições atuais - e muito melhores no futuro - para as crianças viverem e crescerem de forma alegre e feliz".

As cerca de 20 grávidas e mães que hoje acompanharam o lançamento desse programa de incentivo à natalidade receberam da autarquia alguns produtos destinados a facilitar a experiência da maternidade.

Envolvendo donativos de entidades locais, o 'kit' incluía artigos como guias de gravidez, horários de aulas de preparação para o parto, cremes hidratantes, papas lácteas, toalhetes húmidos e fraldas para recém-nascidos.

Sónia Santos foi uma das mães que recebeu esse 'kit' e confirmou à Lusa que vai agora requerer o novo "cheque-bebé", nomeadamente a título retroativo, já que o pequeno Guilherme ainda não completou três meses.

A jovem mãe de Silvalde - freguesia a sul do concelho de Espinho - ainda não fez as contas ao que gastou para preparar a chegada do menino, mas afirma que 750 euros "é sempre uma boa ajuda" para aliviar essa despesa.

"Gasta-se muito logo no início, porque, além de não podermos sair do hospital sem o ovo [para transporte do bebé], que custa pelo menos uns 100 euros, ainda precisamos das primeiras roupinhas, há produtos de higiene específicos que temos mesmo que comprar e gasta-se muito dinheiro em fraldas no primeiro mês", justificou.

Para essas compras, o cheque relativo ao primeiro ano de vida do Guilherme já não chega a tempo, mas Sónia Santos continua a ter destino para os 500 euros: "Vão ser para comprar a caminha dele, que ainda só tem berço, e para arranjar um guarda-fatos, que na cómoda também já não cabe tudo".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.