Detenção em Agualva. PSP investiga, presidente da junta elogia agentes

Três elementos da PSP estão a ser investigados depois de ser divulgado um vídeo sobre a forma como atuaram junto a escola na Agualva-Cacém. Presidente da junta diz que agiram no "cumprimento do seu dever".

O presidente da Junta de Freguesia de Agualva e Mira Sintra elogiou publicamente a forma como três elementos da PSP detiveram um jovem junto à Escola Secundária Ferreira Dias (Agualva, Sintra), considerando que "agiram no cumprimento do seu dever. Parabéns por isso!". Atuação que está a ser investigada pelo comando de Lisboa da Polícia de Segurança Pública para se apurar se houve um uso excessivo da força por parte dos agentes.

A denúncia para esse alegado abuso surgiu com a divulgação de um vídeo em que se vê os três policias a falar com dois jovens. Na filmagem, que tem cerca de três minutos, ouve-se um dos elementos a perguntar se um dos rapazes tem "problemas psicológicos" e este a responder "que não", isto depois de o agente lhe pedir para sair do local.

Segue-se mais uma troca de palavras, o rapaz acaba por ser algemado e atirado ao chão e ainda se ouve alguém a dizer "é preciso falar assim?". Um dos polícias pergunta então à pessoa que filmava se estava a registar a situação e esta responde "não". E a gravação acaba aqui.

Este filme, que terá sido feito pelas 18.00 de sexta-feira (4 de janeiro), foi publicado às 20.25 desse dia no site Anonymous Portugal. A PSP foi alertada para esta situação e, segundo disse ao DN fonte oficial da polícia, pelas 22.00 do mesmo dia o comandante da PSP de Lisboa mandou instaurar um processo de averiguação. Esta investigação tem 15 dias para obter resultados, ou seja indicar se existiu ou não uso excessivo de força, o que pode levar à abertura de processos disciplinares aos agentes.

Depois de divulgado o vídeo surgem inúmeros comentários à situação e entre eles um post no Facebook de Carlos Casimiro, presidente da Junta de Freguesia de Agualva e Mira Sintra, que nesta segunda-feira de manhã também foi colocado na página pessoal do autarca.

Neste, o dirigente elogia a atuação dos polícias: "Os agentes agiram no cumprimento do seu dever. Parabéns por isso! Por vezes, quisesse a justiça ser menos complacente.".

Contactado pelo DN, o autarca conta que "desde há pouco mais de um mês alguns jovens mais velhos do que os alunos vão intimidá-los e têm praticado pequenos assaltos, criando um sentimento de insegurança".

Perante este cenário, diz que pediu à PSP "um reforço de vigilância e é isso que tem feito, resultando na detenção de uma pessoa". "É fundamental que as forças de segurança cumpram a sua obrigação, impor a lei. É esta a posição que tenho assumido", acrescenta, lembrando que terá existido um "desrespeito" por parte de um dos jovens envolvidos.

"A sua resolução [a questão dos roubos e intimidação junto à escola] passa pela presença assídua das autoridades e atitudes deste tipo, que sem medo afrontam os criminosos. Independentemente de sexo, nacionalidade ou raça."

Ainda em relação ao episódio filmado, diz achar "surpreendente a atitude de desafio e resistência por parte do jovem que foi detido, provavelmente por estar habituado a viver em locais onde a Polícia tem receio de entrar isolada".

Apesar desta situação, Carlos Casimiro lembra que os níveis de criminalidade em Agualva e Mira Sintra são inferiores aos da Área Metropolitana de Lisboa e que a "cidade e a freguesia de Agualva é segura. As pessoas podem passear tranquilamente pela rua e quero que isso se mantenha".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.