Crowdfunding: enfermeiros pedem 300 mil euros para financiar greve prolongada

Grupo de enfermeiros iniciou recolha de fundos para parar os blocos operatórios do Centro Hospitalar de São João, no Porto, de Coimbra e do Santa Maria, em Lisboa. Em 12 dias, os promotores da iniciativa de crowdfunding conseguiram mais de 64 500 euros.

"É uma ideia inovadora. Nunca ninguém fez nada disto na enfermagem". Catarina Barbosa faz parte do grupo de cinco enfermeiros que lançou uma campanha de angariação de fundos para apoiar os profissionais de enfermagem que adiram a uma greve prolongada nos blocos operatórios de três hospitais públicos. Como não asseguram serviços mínimos (exceto urgências), estes enfermeiros perdem o vencimento referente ao dia de trabalho, pelo que o objetivo é criar um fundo solidário para que recebam 42 euros por cada dia de paralisação. Até às 18.00 desta sexta-feira, contavam com mais de 64 500 euros recolhidos, 21% do objetivo final (300 mil euros), que pretendem alcançar até ao dia 5 de novembro.

Os promotores chamam-lhe "greve cirúrgica", porque pretende "parar todos os blocos de três centros hospitalares do país": o Centro Hospitalar de São João, no Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e o hospital de Santa Maria, em Lisboa. "São os principais hospitais do país. Quanto mais cirurgias adiadas, maior será o impacto", explica ao DN Catarina Barbosa, adiantando que os promotores vão reunir com os apoiantes esta terça-feira, na Secção Regional do Norte da Ordem dos Enfermeiros, estando prevista uma conferência de imprensa no mesmo local para as 16.30.

"Quando os enfermeiros fazem greve e não asseguram serviços mínimos, perdem a totalidade do vencimento desse dia. Temos a noção que vai ser uma greve por tempo prolongado, pelo que não podem ficar sem receber. Este fundo é para os ajudar", esclarece Catarina Barbosa, que, por agora, não adianta se a greve ocorrerá mesmo que não seja alcançado o objetivo. "Vamos ver como corre", afirma.

Sobre a duração da paralisação, Catarina Barbosa refere que "não será por tempo indeterminado, terá uma data de início e de término". "Mas, se não conseguirmos as reivindicações até à data de término, haverá um novo pré-aviso para continuar", assegura. Ressalvando que a "adesão à greve tem sido brutal apesar das perdas", salienta que "têm sido greves de uma semana, no máximo". A última foi de seis dias não consecutivos, convocada por vários sindicatos, e terminou na sexta-feira. "Queremos prolongar a greve", frisa.

Relativamente às exigências, a enfermeira destaca a "negociação da carreira, mais enfermeiros nos serviços, a idade da reforma reduzida para os 57 anos, a correta contagem dos pontos que não está a ser feita e a valorização do risco e penosidade da profissão".

A campanha de crowdfunding (financiamento colaborativo) está a decorrer na plataforma PPL, onde conta com mais de 2600 apoiantes. Até ao dia 5 de novembro, é possível contribuir com um mínimo de 20 euros. "Impusemos a meta de 300 mil euros. Muitos enfermeiros têm dito que ainda não contribuíram porque estão à espera de receber, pelo que esperamos que ainda seja possível atingir o valor definido", adianta a enfermeira.

Para que a greve venha a ocorrer, é necessário a convocação e o apoio de pelo menos um sindicato. Segundo Catarina Barbosa, a iniciativa conta com o apoio do Sindepor (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) e da ASPE (Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros), bem como do Movimento Nacional de Enfermeiros e da Associação Movimento Nacional de Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstétrica.

Contactada pelo DN, Lúcia Leite, presidente da ASPE, confirma que a estrutura já se "mostrou previamente disponível para colaborar e contribuir para a organização desta greve criativa, que se está a tentar implementar". No entanto, ressalva, quer perceber "claramente qual é o propósito" e outras condições, "porque não faz sentido uma ação de luta sem uma organização meticulosa".

Questionada sobre a iniciativa de crowdfunding, Lúcia Leite considera que "é uma solução transparente que permite dar alguma confiança a quem quer participar na greve", e possibilita que enfermeiros e outras pessoas "se solidarizem com a causa". "Temos noção que não podemos continuar a decretar greves, porque isso implica um custo nos vencimentos dos enfermeiros, que não é assegurado".

Na apresentação da campanha, os promotores reconhecem que podem "ter que, dependendo da resposta da tutela a esta medida, pedir a médio prazo reforço deste fundo". À verba angariada serão descontados 7.5%, que correspondem à taxa de utilização da PPL. "Tentámos encontrar soluções mais económicas para fazer a angariação de fundos, mas esta foi a forma mais transparente, económica e prática que conseguimos encontrar", lê-se na descrição.

Se no final da greve sobrar algum dinheiro do fundo, os responsáveis comprometem-se a doá-lo a uma instituição de solidariedade.

A plataforma PPL Crowdfunding permite que qualquer pessoa possa divulgar a sua ideia, e que os interessados possam contribuir para a causa. Quando os fundos necessários são alcançados, o valor é transferido para o promotor.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.