Chuva, vento, neve e agitação marítima em todo o país

Portugal continental está esta segunda-feira sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima, chuva forte, vento ou queda de neve, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os 18 distritos do continente estão sob aviso amarelo (até às 21.00 desta segunda-feira) devido à previsão de períodos de chuva por vezes forte e persistente, tendo o IPMA emitido também o mesmo aviso para toda a costa portuguesa, mas por causa da agitação marítima (até às 12:00 de terça-feira).

O IPMA colocou também em aviso amarelo os distritos de Bragança, Viseu, Guarda, Vila Real, Viana do Castelo, Braga e Castelo Branco devido à previsão de queda de neve acima de 1400/1600 metros, descendo gradualmente a cota para 800/1000 metros, entre as 15.00 desta segunda-feira e as 03.00 de terça-feira.

Sob aviso amarelo estão ainda os distritos de Viseu, Évora, Guarda, Faro, Beja, Castelo Branco, Coimbra e Portalegre por causa do vento forte com rajadas até aos 80 quilómetros por hora, entre as 09.00 e as 18.00 desta segunda-feira.

O aviso amarelo é o segundo menos grave de uma escala de quatro e é emitido quando as condições meteorológicas representam um "risco para determinadas atividades".

No domingo, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou para um agravamento do estado do tempo.

Face ao cenário de precipitação forte e persistente, a Proteção Civil alerta que deve ser "dada uma especial atenção às zonas historicamente identificadas como vulneráveis a inundações e em particular em bacias hidrográficas não regularizadas e de escoamento rápido".

A Proteção Civil chama a atenção para os efeitos desta situação, com piso escorregadio e a eventual formação de lençóis de água e gelo e possibilidade de cheias rápidas em meio urbano.

As autoridades alertam ainda para a possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte e possíveis acidentes na orla costeira, sendo de evitar o estacionamento de veículos nestas zonas.

Segundo a ANEPC, "o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados".

Aos condutores, é recomendada uma condução defensiva, com redução da velocidade e colocação das correntes de neve nas viaturas, sempre que se circular nas áreas atingidas pela queda de neve.

As autoridades pedem também para não se atravessar zonas inundadas, "de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas".

Deve-se "garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas", diz o comunicado, acrescentando ainda que não devem ser praticadas "atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar".

Maioria das ocorrências são inundações

"Desde o início do nosso alerta, domingo às 14.00, registámos 152 ocorrências associadas ao mau tempo, sendo na sua grande maioria inundações (78) e também limpeza de vias associadas a deslizamento de terras e quebra de barreiras. O distrito que mais ocorrências teve foi o do Porto, com 46", contou ao DN o comandante Miguel Oliveira, oficial de operações da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

As inundações registadas são quase todas "inundações urbanas, que têm a ver com falta de escoamento ou com algum impedimento com o livre movimento das águas pluviais", que não têm sido de complicada resolução.

O comandante aconselha a população a adotar uma "condução defensiva", devido à formação de lençois de água, garantir a capacidade de escoamento, não atravessar zonas inundadas, garantir a fixação de estruturas como andaimes e placards e evitar atividades na zona costeira e atividades relacionadas com o mar.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG