Petrolíferas prometem regresso à normalidade esta tarde

Maior parte dos postos deverá voltar a funcionar ainda esta tarde, diz a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas. Sindicato de motoristas prevê 48 horas para que situação retome a normalidade

O Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas estima que o abastecimento de combustível a nível nacional fique normalizado dentro de dois dias, depois de desconvocada a greve que durava desde segunda-feira.

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) afirmou, no entanto, à Lusa que repor a situação existente antes do início da greve pode demorar até cinco dias, mas a partir desta tarde deverá retomar-se a normalidade dos abastecimentos.

"Acreditamos que [regularizar] tudo, portanto uma situação igual à existente antes do início da greve, poderá demorar até cerca de cinco dias, mas grande parte das situações estarão regularizadas antes disso", disse António Comprido, da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro).

O responsável adiantou que "a partir de amanhã [sexta-feira] já deverá haver uma situação normal em muitos casos, mas a totalidade só depois do fim de semana".

E "admitindo que se vai trabalhar -- e temos indicação que isso vai acontecer -- durante o fim de semana", salientou.

Questionado sobre se já tem indicações de que os abastecimentos estão a ser reforçados desde o anúncio do fim da greve dos motoristas de matérias perigosas, que ocorreu hoje pelas 8:00, António Comprido referiu que as associadas da Apetro estão a trabalhar para que se retome a normalidade dos abastecimentos a partir da tarde de hoje.

"As informações que nos chegam das associadas é que estão a trabalhar em termos de planeamento de cargas para que rapidamente, a partir desta tarde, se retome a normalidade dos abastecimentos e até que isso seja feito com um reforço ao longo dos próximos dias para repor a situação o mais depressa possível", afirmou o responsável da Aperto.

Primeira reunião negocial realiza-se no próximo dia 29

Em declarações aos jornalistas após o anúncio do final da greve, no Ministério das Infraestruturas e Habitação, Pedro Henriques, do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SMMP), congratulou-se com o entendimento conseguido e disse esperar que até ao final do ano se consiga concluir o acordo de negociação coletiva.

"Vamos dar início às negociações com a ANTRAM [Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários de Mercadorias], com supervisão do Governo, para negociar as cláusulas da negociação coletiva desta classe profissional. A primeira reunião é dia 29 e tem como objetivo até ao final deste ano estar fechado este acordo coletivo de trabalho até final do ano", afirmou o responsável.

Pedro Henriques disse ainda que o que fez o sindicato desconvocar a greve foi "a garantia da ANTRAM e do Governo de que se iniciaria esta negociação coletiva de trabalho" e o compromisso do executivo de que este acordo estaria fechado até final do ano e que as negociações decorrerão "com tranquilidade".

"Não está em causa apenas uma negociação, está em causa o reconhecimento oficial da categoria de motorista de matérias perigosas", afirmou Pedro Henriques.

O representante sublinhou que o sindicato tinha consciência de que "a manutenção do direito pela greve iria causar ainda mais problemas ao país, que parou em três dias".

"Não era nossa intenção. Manifestamo-nos sempre de forma pacífica para alertar para a importância que estes homens têm, pois sem eles o país para, mas o país não os conhecia nem os reconhecia", acrescentou.

No entendimento conseguido esta quinta-feira, as partes comprometem-se a "diligenciar pela manutenção de um clima de diálogo e paz social, mantendo o diálogo como forma de resolução de diferendos ou divergências até ao fim das negociações", abstraindo-se de "outras formas de pressão, nomeadamente greves".

A desconvocação da greve dos motoristas de matérias perigosas, que tinha começado na segunda-feira, foi anunciada esta quinta-feira de manhã pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Exclusivos