Família de cinco pessoas encontrada morta em casa

Um casal, as duas filhas menores, assim como um tio das crianças morreram esta tarde em Fermentões, concelho de Sabrosa (Vila Real). Suspeita-se que terá sido por intoxicação por monóxido de carbono.

A família de cinco pessoas foi encontrada inanimada em casa na Rua do Comércio, em Fermentões (Sabrosa, Vila Real), segundo adiantou ao DN fonte da Guarda Nacional Republicana.

As vítimas, um casal com duas crianças de 9 e 14 anos e um irmão do homem, foram encontradas em dois quartos e na sala/cozinha.

O alerta chegou à Guarda pelas 16.40 através de um contacto do 112. Os Bombeiros Voluntários de Sabrosa foram ao local e encontraram as vítimas já inanimadas, suspeitando-se que possam ter morrido devido a intoxicação por monóxido de carbono. Informação que só a autópsia poderá confirmar.

Para o local foram 15 bombeiros e oito viaturas, de acordo com as informações disponíveis no site da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Entretanto, a casa foi isolada pela GNR e os inspetores da PJ de Vila Real já estão a recolher os indícios.

Vizinho das vítimas, Álvaro Guedes ajudou os bombeiros, fornecendo luz através de uma extensão para a casa. À Lusa lembrou o casal como "bons vizinhos" que "andavam na sua vida" e referiu que chegou a ajudá-los nas obras que estavam a fazer em casa, isolando-a melhor por causa do frio.

"Estavam a fazer as obras aos bocadinhos, iam fazendo conforme podiam", referiu, adiantando que dentro da habitação havia um gerador que fornecia eletricidade.

Outros vizinhos e amigos lembraram as vítimas como "pessoas humildes e trabalhadores".

José Barros, comandante dos bombeiros de Sabrosa, afirmou aos jornalistas no local que "não há nada que possa determinar as causas da morte". Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) confirmou à agência Lusa que o mais provável é que a morte das cinco pessoas se deva a uma intoxicação por inalação de monóxido de carbono. Mas também se coloca a hipótese de ter sido uma intoxicação alimentar, nomeadamente ingestão de cogumelos.

O presidente da Câmara de Sabrosa, Domingos Carvas, disse que a situação "é dramática". "A situação fez tudo, não houve manobras, não houve salvamento, não houve nada. É uma situação muito difícil. É uma desgraça para a família, para a povoação, para o município", referiu. Domingos Carvas espera, no entanto, que a situação "sirva de alerta", quer tenha tido a ver com a ingestão de cogumelos ou a inalação de monóxido de caborno.

Num espaço da Junta de Freguesia está a ser prestado apoio psicológico, por parte do INEM e da câmara, a familiares e amigos das vítimas

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.