Cinco militares da GNR feridos em desacatos num bar de Albufeira

Um grupo de 15 indivíduos ingleses provocou o incidente. Cinco foram detidos e presentes a Tribunal

Cinco pessoas foram detidas na sexta-feira à noite, em Albufeira, no Algarve, após agredirem e causarem ferimentos ligeiros em cinco elementos da GNR, disse fonte desta força de segurança.

O incidente foi registado cerca das 23:00, quando a GNR foi chamada ao largo Engenheiro Duarte Pacheco, para responder a uma ocorrência que dava conta de desacatos, provocados por "um grupo de 15 indivíduos ingleses", no bar Rock Time, disse à agência Lusa fonte do Comando Territorial de Faro da GNR.

"Foi enviada uma patrulha do Grupo de Intervenção e Ordem Pública e, como eram poucos, os militares foram logo agredidos assim que chegaram ao local", afirmou o tenente Samuel Afonso, das Relações Públicas do Comando de Faro da GNR.

Os militares agredidos receberam depois reforços "por militares do 'subdestacamento' de Albufeira, e militares que estavam de folga, mas [que] se encontravam na zona e foram ajudar os colegas", acrescentou.

"Acabaram por ser detidos cinco ingleses, quatro de 33 anos e um de 30, por ameaça e coação a funcionário", precisou.

A mesma fonte adiantou que os detidos foram ouvidos hoje, a partir das 10:30, no tribunal de turno em Albufeira, mas ainda não são conhecidas as eventuais medidas de coação aplicadas, após este primeiro interrogatório judicial.

"Da nossa parte [GNR], temos no total cinco militares feridos, com ferimentos ligeiros, sendo que três deles ainda foram ao hospital receber assistência médica", sublinhou o oficial da GNR, frisando que a assistência hospitalar foi feita "mais por precaução e para ficar (...) registo dos ferimentos, para efeitos judiciais".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.