Cem anos depois, Lisboa parou para homenagear os antigos militares da Grande Guerra

Este domingo, a Avenida da Liberdade fechou para receber as comemorações do centenário do Armistício da I Guerra Mundial.

Cerca de 4600 antigos combatentes e 11 aeronaves militares desfilam nesta manhã de domingo na Avenida da Liberdade, em Lisboa. O Presidente da República, o primeiro-ministro e o presidente da Assembleia da República marcaram presença nas celebrações, ao lado de ex-militares da Marinha, do Exército, da Força Aérea, da Guarda Nacional Republicana, polícias da Polícia de Segurança Pública e alunos do Colégio Militar e dos Pupilos do Exército, oriundos de Portugal, mas também da Alemanha, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Marcelo Rebelo de Sousa presidiu o evento e já teceu as suas primeiras declarações.

Na capital, celebra-se este domingo os 100 anos desde o fim da Grande Guerra, a 11 de novembro de 1918.

Portugal esteve representado na I Guerra Mundial ao lado dos aliados. Os soldados portugueses estiveram na frente de Angola, em 1914-1915, em Moçambique, entre 1914 e 1918, e em França, em 1917 e 1918.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.