Câmara de Lisboa discute ampliação da Fundação Champalimaud

A Câmara Municipal de Lisboa discute na reunião do executivo de quinta-feira uma proposta subscrita pelo vereador do Urbanismo para que seja considerada de "interesse excecional" a ampliação da Fundação Champalimaud.

A ampliação destina-se à construção de um "centro hospitalar e de investigação para o estudo e tratamento oncológico relacionado com o cancro do pâncreas", com três pisos de altura, mantendo-se a pedra lioz como o material dominante, à semelhança do edifício já existente.

De acordo com a proposta que o vereador dor Urbanismo, Manuel Salgado (PS), leva à reunião do executivo, o edifício será "fisicamente e funcionalmente ligado ao edifício existente", representando uma ampliação de 12.941,60 metros quadrados de superfície de pavimento, aos já existentes 34.721,00 metros quadrados, totalizando, assim, 47.662,60 metros quadrados.

Manuel Salgado propõe que o município delibere "sobre o interesse excecional desta intervenção" e que "promova o debate público" sobre o projeto, no seguimento do pedido de informação prévia apresentado pela fundação em janeiro, para a viabilidade de obras de Ampliação do Centro de Investigação da Fundação Champalimaud.

Esta ampliação realiza-se numa parcela de domínio público do estado afeta à Administração do Porto de Lisboa, e que, de acordo com o Plano Diretor Municipal (PDM) de Lisboa, tem a classificação de "Espaço Consolidado de Uso Especial de Equipamento".

A Câmara consultou a Administração do Porto de Lisboa (APL), a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDRLVT) e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que deram parecer favorável.

O departamento e Gestão e Mobilidade da autarquia deu parecer favorável condicionado, considerando necessário "detalhar melhor as questões relacionadas com a funcionalidade da rua de acesso à Doca Pesca/APL", bem como a "melhoria do espaço de circulação pedonal da Av. Brasília e sinalização".

O novo edifício "será implantado na área impermeabilizada onde atualmente se localiza o parque de estacionamento automóvel exterior, e será constituído por 3 pisos acima da cota de soleira e 2 pisos de estacionamento e áreas técnicas abaixo da cota de soleira através dos quais será realizada a ligação ao edifício existente".

"Face à intenção de leitura da presente ampliação como uma continuidade do edifício existente, e para que seja entendido como um todo, para além da elevação da cota de soleira para a mesma cota do edifício existente, é proposta a utilização dos mesmos materiais de revestimento exterior, em pedra lioz", lê-se na proposta.

O Centro de Investigação para o Desconhecido da Fundação Champalimaud, inaugurado em 2010, foi concebido pelo arquiteto goês Charles Correa, falecido em 2015.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.