Bispo do Porto: "Países ricos não abrem supermercados ao domingo"

D. Manuel Linda defende fim do trabalho ao domingo e critica "novo esclavagismo da laboração contínua".

O bispo do Porto defendeu o fim do trabalho ao domingo e especialmente nos supermercados e centros comerciais, que qualificou como "expressão de um certo subdesenvolvimento humano e mesmo económico".

A denúncia to trabalho contínuo de D. Manuel Linda foi feita durante a Missa de Páscoa deste domingo, na Sé do Porto e perante mais de uma centena de fiéis.

"Os países mais ricos do mundo não abrem supermercados ao domingo", observou o antigo bispo das Forças Armadas e de Segurança, citado pelo JN.

"Pensemos no novo esclavagismo da laboração contínua, legalmente imposta pelos novos senhores do mundo que dominam a economia e, por esta, os governos. Pensemos como os critérios dos turnos, em setores onde, para além da ganância, nada os justifica", lamentou D. Manuel Linda.

"O mesmo se diga da abertura dos supermercados e dos centros comerciais ao domingo, expressão de um certo subdesenvolvimento humano e mesmo económico", acrescentou.

Exclusivos