Autoridade Marítima: não entre no mar na noite de fim de ano

Autoridade Marítima alerta a população para não ir ao banho na noite de fim de ano, evitar as arribas, as atividades junto ao mar e os passeios na praia, adotando uma postura preventiva face aos perigos.

"Com o aproximar das festividades da noite de fim ano, a Autoridade Marítima Nacional aconselha toda a população para não ir ao banho, em especial se tiver consumido bebidas alcoólicas, devendo igualmente evitar as zonas molhadas e as arribas", lê-se em comunicado.

A autoridade recomenda ainda que se evite a "prática de passeios junto à costa e nas praias, bem como da prática de atividades lúdicas nas zonas expostas à agitação marítima", sendo essencial que as pessoas assumam "uma postura preventiva, não se expondo desnecessariamente ao risco".

Como lembrete, a Autoridade Marítima deixa o aviso, "na noite de fim de ano lembre-se: Não é preciso entrar no mar para comemorar".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.