Mali. Militares portugueses saem ilesos de ataque terrorista

O centro de treino militar da União Europeia em Koulikoro, no Mali, foi esta madrugada alvo de um ataque terrorista, sem ferir qualquer dos quatro militares portugueses que ali se encontram em missão, informaram hoje as Forças Armadas.

"Os militares portugueses estão todos bem, havendo a registar até ao momento quatro baixas do lado do exército maliano e um número ainda indeterminado de civis atingidos", lê-se no comunicado do Estado Maior General das Forças Armadas (EMGFA) divulgado este domingo.

O documento especifica que se encontram no centro de treino da União Europeia (UE), alvo do ataque terrorista desta madrugada, dois militares do Exército, um da Marinha e um da Força Aérea, todos integrados na missão de treino da UE.

"O ataque com recurso a engenhos explosivos improvisados teve lugar nas proximidades do acesso ao campo. Após troca de tiros contra os atacantes, a situação foi controlada pelos militares ao serviço da União Europeia da Força de Reação Rápida de Espanha e da República Checa", descreve o EGMFA.

O EMGFA recorda que Portugal tem atualmente 12 militares no Mali, dos três ramos das Forças Armadas, que em conjunto com outros países da União Europeia treinam as Forças Armadas do Mali "no sentido de apoiar as autoridades deste país e tornar as suas Forças Armadas autossustentáveis e capazes garantir a segurança e a defesa do território".

"A atividade terrorista de grupos associados ao DAESH e à Al-Qaeda do Magrebe Islâmico, continua a afetar a estabilidade do país, e a crise humanitária aumenta o risco das organizações terroristas se infiltrarem e desestabilizarem o Mali", refere ainda o EMGFA.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.