Aeroporto de Lisboa com atrasos de mais de uma hora

Partidas e chegadas no aeroporto de Lisboa estão este domingo com atrasos. Seleção também afetada

A seleção nacional de futebol está a ser este domingo uma das "vítimas" da falta de capacidade do Aeroporto Humberto Delgado. A comitiva foi avisada que a saída de Moscovo seria atrasada por causa do volume do tráfego aéreo em Lisboa. Consequência: só vai chegar a Lisboa pelas 20.00 em vez das 17.30 previstas no programa inicial.

Este é apenas um dos atrasos que se regista nas partidas e chegadas ao principal aeroporto nacional. Basta consultar a página da ANA - Aeroportos de Portugal para se concluir que tanto no que diz respeito às chegadas como às partidas não há registos desde a manhã deste domingo de um voo que tenha cumprido o horário.

Segundo fonte consultada pelo DN este domingo está a ser bastante atípico com todas as companhias aéreas que operam em Lisboa a sofrerem atrasos nas suas operações e uma grande parte desses atrasos até é superior a uma hora. Tendo, inclusivamente, já se registado o cancelamento de uma ligação da Ryanair para Marselha.

Fonte oficial da ANA Aeroportos afiança ao DN que os atrasos de domingo foram fruto "de uma complicação na gestão de trafego aéreo europeu. Depois foi uma bola de neve." Ou seja, o primeiro voo que chegou atrasado, atrasou os seguintes, o que piora quando o aeroporto "trabalha no limite."

De acordo com as informações recolhidas este domingo o aeroporto tem estado a trabalhar com 38 movimentos por hora - entre descolagens e aterragens - o que é o máximo possível para a atual infraestrutura. A solução, segundo adiantaram ao DN, passa por alterar o funcionamento da operação das várias companhias aéreas criando saídas rápidas de pista de forma a facilitar o movimento das aeronaves. Segundo a mesma fonte é necessário um investimento em infraestruturas - por exemplo, atualmente só há uma pista, o que é manifestamente insuficiente para a procura que o aeroporto está a ter - o que tem levado a reuniões periódicas entre a ANA e a NAV - Portugal, empresa responsável pelo controlo da navegação no espaço aéreo nacional. Encontros que também já existiram com representantes do Governo.

Recorde-se que o aeroporto de Lisboa recebeu no ano passado 27 milhões de passageiros e até maio já chegou aos 11 milhões.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...