Vinte e um concelhos de seis distritos em risco máximo de incêndio

As temperaturas máximas vão oscilar entre os 28 graus em Aveiro e os 38 em Santarém.

Vinte e um concelhos dos distritos de Faro, Viseu, Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Bragança apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo estão hoje os concelhos Monchique, Silves, Loulé, São Brás de Alportel, Tavira e Alcoutim (Faro), Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão (Castelo Branco), Gavião e Nisa (Portalegre), Mação e Sardoal (Santarém), Vimioso e Vinhais (Bragança).

Também os concelhos de Mortágua, Santa Comba Dão, Tondela, Carregal do Sal, Vila Nova de Paiva, Tarouca e Tabuaço (Viseu) estão hoje em risco máximo de incêndio.

O IPMA colocou ainda vários concelhos de todos os distritos do continente em risco muito elevado e elevado de incêndio.

Este risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave.

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Por causa do tempo quente, o IPMA emitiu um aviso amarelo para os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal, Santarém, Évora e Beja entre as 12:00 de hoje e as 20:00 de quarta-feira.

O aviso amarelo, o terceiro de uma escala de quatro, revela situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê para hoje no continente céu geralmente limpo e vento fraco a moderado do quadrante leste, rodando temporariamente para noroeste no litoral Norte e Centro durante a tarde e sendo em geral fraco predominando do quadrante oeste na região Sul.

Nas terras altas, o vento será fraco a moderado do quadrante leste, soprando por vezes forte no Norte e Centro até final da manhã e a partir do final da tarde.

Está também prevista uma subida da temperatura máxima, em especial no litoral Norte e Centro.

As temperaturas mínimas no continente vão oscilar entre os 12 graus Celsius (em Bragança) e os 23 (em Portalegre) e as máximas entre os 28 (em Aveiro) e os 38 (em Santarém).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.