Deputados e ministros com dados expostos na Internet

Nomes, moradas, assinaturas e números de telefone estiveram disponíveis online desde 2015

Os dados pessoais de Tiago Brandão Rodrigues, Maria Manuel Leitão Marques e Ana Paula Vitorino,mas também de Assunção Cristas, Catarina Martins, Constança Urbano de Sousa e Margarida Marques ou José Manuel Pureza estiveram, desde 2015, expostos na Internet para quem os quisesse consultar. Nomes completos, números de cartão de cidadão, validade e data de emissão, moradas completas, filiação completa e até as assinaturas, além de números de telefone e emails. Alguns dados só foram retiradoss este mês e após denúncia do jornal Público, que avança este sábado com a notícia.

No total, foram 1798 os mandatários às eleições legislativas de 2015 que viram os seus dados disponíveis. A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD), conta o jornal, foi alertada há mais de um ano, mas os dados continuaram acessíveis.

Foram divulgados na altura da publicação das listas de candidatos às legislativas de 2015 pelos sites de nove câmaras municipais, no início da campanha eleitoral e referem-se aos nomes de 16 partidos que concorriam pelos distritos do Porto, Coimbra, Viseu, Vila Real, Castelo Branco, Viana do Castelo, Leiria e região autónoma da Madeira.

Quando os processossão entregues, os tribunais enviam para as câmaras municipais do distrito as listas definitivamente aceites. Algusn enviam apenas os nomes completos, mas outras enviam o processo completo para as autarquias e fi asim que os dados ficaram expostos durante três anos.

A exposição dos dados pessoais foi detetada por dois cidadãos que criaram o site hemiciclo.pt e avisaram muitos dos que tinham nomes, moradas e assinaturas disponíveis para serem consultados online.

Há nove queixas no portal da CNPD. A comissão não quis prestar declarações.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.