Integração europeia - um projecto indispensável

Nenhum dos Estados nacionais que participam hoje na União Europeia tem dimensão, ou poder suficiente - militar ou outro -, para ser relevante, só por si, no concerto internacional das nações (apesar dos dois vetos no Conselho de Segurança da ONU). Mas a necessidade de ganhar relevância individual, numa Europa fragmentada, acabaria por levar alguns desses Estados a desenvolver as acções vistas como necessárias para o efeito. Nessas condições, a Europa acabaria, muito provavelmente, a digladiar-se internamente em conflitualidades, mais ou menos violentas.

Através do projecto de integração económica, social e política, a Europa tem conseguido conciliar pacificamente os diversos interesses nacionais e alavancar as capacidades individuais dos participantes numa projecção de poder - sobretudo soft power, é verdade, mas, ainda assim, "poderoso poder" -, muito superior à soma das partes, e que, juntamente com o "guarda-chuva" da NATO, lhe assegura a relevância que (ainda?) detém como protagonista, e instrumento fundamental de equilíbrio, da ordem internacional. Ao mesmo tempo que lhe assegura também as condições de prosperidade necessárias para aquela conciliação e para municiar o arsenal de soft power.

Visto nestes termos, o projecto de integração é, acima de tudo, um projecto político, de que as componentes económica e monetária - sendo muito importantes para o seu sucesso - são "meramente" instrumentais. E, sendo assim, as contradições do próprio projecto, incluindo as que se manifestam naqueles dois campos, têm de ser, em última instância, resolvidas politicamente, se se quiser garantir a irreversibilidade da integração.

A recente crise financeira que assolou a Europa, depois da crise financeira internacional propriamente dita, mostrou que o quadro conceptual em que tem assentado a união monetária é potenciador de divergência económica (e social) entre os países mais e menos ricos. E mostrou também que a moeda única não é indispensável à eficácia da integração europeia. Com excepção da Croácia e da Dinamarca, os países fundadores do euro tiveram, desde a criação da moeda única, o pior crescimento de toda a União Europeia; e Portugal, Itália e Grécia ficaram mesmo no fim da escala de toda a União.

A melhoria da eficácia da união monetária, para prevenir a sua desintegração, é, pois, um desafio político que as autoridades europeias terão de superar para manter o empenho de todos os povos no indispensável projecto de integração. E para contrariar eventuais contágios desagregadores irradiados pelo brexit.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?