Bolhas, sustos e crises

No início de Setembro deixei aqui um alerta, que já tinha feito noutros círculos mais restritos, para os riscos de se estar a criar uma nova bolha financeira, cujo rebentamento poderia dar origem a uma nova crise. O próprio Relatório de Estabilidade Financeira do FMI, de Outubro passado, por detrás de um tom aparentemente optimista, estava bem recheado de avisos e cautelas sobre a situação vivida nos mercados financeiros. Mas, como também disse no artigo de Setembro, os sinais de uma bolha financeira podem durar muito tempo até que ela rebente e provoque uma crise, pois nunca se sabe até onde "estica o elástico" das condições financeiras, até rebentar.

Os mercados de acções e de obrigações apresentaram muito recentemente quedas significativas. Se se trata de "um ajustamento técnico" do mercado, para libertar a pressão excessiva da bolha, e sem consequências de maior, ou do início do rebentamento da bolha, que poderá dar azo a uma nova crise económica, não temos possibilidade de saber. O resultado vai depender muito da forma como reagirem os agentes económicos, e nomeadamente os investidores financeiros. Se entrarem em pânico, poderão precipitar um sobreajustamento dos mercados, e levar ao segundo caminho, como aconteceu a seguir a 2007; se reagirem mais friamente e souberem digerir racionalmente as perdas inevitáveis, poderemos ficar pela primeira hipótese de resultado. Podemos especular intelectualmente sobre qual será o desenlace, com argumentos válidos de ambos os lados, mas a verdade é que não temos possibilidade de saber com suficiente antecipação, precisamente porque isso depende do comportamento - humano e não mecanizado - de milhões de decisores económicos.

Em termos intelectualmente especulativos, podemos esperar que, depois da experiência da crise anterior, e mais bem informados, portanto, os agentes económicos tenham agora menos razões para entrar em pânico, consigam reagir com menos precipitação e se tenham preparado para absorver melhor as perdas de valor dos seus activos. E, dessa forma, que o ajustamento financeiro seja económica e socialmente menos destrutivo. Mas o problema maior que persiste, e se tem continuado a agravar, é o do endividamento, porque a sua maior insustentabilidade intrínseca mais cedo ou mais tarde será percebida como real. E, quando isso acontecer, um efeito dominó, com consequências sistémicas, será mais provável.

A dívida, a nível mundial, tem continuado a crescer mais rapidamente do que o PIB, com crescimento particularmente acentuado agora na China. E as dívidas públicas continuam muito elevadas entre muitos países desenvolvidos. Nestes, as dívidas públicas só não se tornaram um problema maior porque os bancos centrais, e, nomeadamente na Europa, o BCE, se tornaram um dos principais credores dos Estados com dívidas elevadas. O que, entre outras, permite duas ilações interessantes. Uma é que, embora a abominação do financiamento monetário dos Estados tivesse sido consagrada na arquitectura da UEM, foi esse financiamento, de facto - ainda que constituído sob uma forma que permite dar-lhe outro nome, de jure -, que salvou a união monetária e evitou o seu descalabro financeiro.

A outra é que a intervenção na crise financeira mudou o papel e a natureza dos bancos centrais. Deixaram de ser os controladores da massa monetária - cuja incapacidade de a influenciarem, e com ela a inflação, se tem tornado patente, não obstante a liberalidade com que criam base monetária - e passaram a ser intermediários de risco de crédito. Oferecem a segurança dos seus passivos aos investidores mais avessos ao risco, enquanto acolhem no seu activo as dívidas dos devedores públicos mais periclitantes, reprimindo os respectivos prémios de risco, e tornando essas dívidas artificialmente sustentáveis.

Avaliada pelos resultados, e no caso europeu, essa terá sido a melhor política possível e, como disse, salvou o euro, face à inadequada rigidez da sua arquitectura. Mas não deixa de ser um resultado paradoxal, por ter sido a criatura abominada que acabou por salvar a fonte da sua abominação, e por o instrumento dessa inversão da "ordem certa" ter sido o banco central cuja ortodoxia monetária era quase religião.

Por outro lado, este resultado, e a política aplicada, acabou por ir ao encontro, na prática, de uma proposta - Politically Acceptable Debt Restructuring in the Eurozone (PADRE) - apresentada no início de 2014 por dois economistas - Charles Wyplosz e Pierre Pâris - e que, simplificando muito, defendia que a melhor forma de resolver o legado de dívidas excessivas era "enterrar" os excessos no balanço do BCE.

De qualquer forma, e voltando aos perigos de bolha financeira, este novo papel assumido pelos bancos centrais, durante a crise recente, e porque o seu balanço, apesar de poder inchar muito, não deve estar muito longe dos limites possíveis, reduziu-lhes a margem de manobra para conseguir o mesmo grau de eficácia no amortecimento de uma nova crise financeira. Esperemos, pois, que estes sobressaltos não passem de um "ajustamento técnico".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.