A França como sintoma

Os sindicatos franceses travam uma luta desesperada contra o governo socialista que pretende flexibilizar os despedimentos e baixar os salários em nome da vulgata neoliberal que domina hoje as políticas económicas. Julgo que a malaise francesa tem um complexo perfil próprio, mas é também sintoma de uma profunda doença europeia. O que está moribundo em França é o projeto de uma Europa que jurou proteger o trabalho contra os abusos do capitalismo global. Em 1989, ao iniciar o segundo mandato à frente da Comissão Europeia, Jacques Delors alertava para os limites de uma visão estritamente económica do projeto europeu: "Ninguém se apaixona por um grande mercado." Delors reclamava uma Europa dos direitos sociais, da sustentabilidade ambiental e da diversidade cultural. A Europa de Manuel Valls, pelo contrário, despreza os direitos laborais consagrados no Tratado de Funcionamento da UE, e trivializa a colocação de uma nação inteira, a grega, no laboratório social da austeridade extrema. Por outro lado, a França representa, com uma nudez quase pornográfica, a responsabilidade da corrente socialista no bloqueio dos instrumentos federais europeus (união política e orçamental), que poderiam ter impedido os trabalhadores europeus de se tornarem vítimas da globalização. Os mercados não governam. Pagam a quem governe por eles. Os profetas da desregulamentação e do financeirismo falavam em nome do socialismo. Blair, no Reino Unido. Schröder, na Alemanha. O caso de Hollande é apenas mais descarado. Foi eleito em 2012 com um programa contra o Tratado Orçamental, para trair completamente as suas promessas. Se a França for coerente com a sua turbulenta história, para o ano teremos um acerto de contas. Que terá impacto em toda a Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.