Os formidáveis dias que terrivelmente vivemos...

É ténue a linha que separa a aventura do aventureirismo, os feitos extraordinários das ruturas históricas e tremendas, o salto do sobressalto, o princípio do fim, os fins dos meios, a construção da desconstrução. A velha metáfora do meio copo cheio ou da outra metade que já está vazia. O saudoso Ernâni Lopes definia os otimistas como pessimistas mal informados. É a linha vermelha que se inventou para separar o aceitável do intolerável, a mesma linha que é tantas vezes pisada por frágeis intransigentes.
A minha idade é suficiente para ter vivido, já como jornalista, a queda do muro de Berlim, antes a revolução de veludo na Checoslováquia, depois a queda do Império soviético, o apocalipse anunciado das fronteiras de África, as mesmas fronteiras que afinal rebentaram na Velha Europa, a devastação da guerra nos Balcãs. E a Europa que se fez por impulso de Kohl e Mitterrand. Que se ergueu numa moeda, atraiu as novas democracias de Leste, que entretanto alargava e deslassava, que passou simultaneamente a atrair e expelir.
A vertigem destes dias convoca-nos para estes tempos binários, de tudo ou nada, do vai ou racha, do toque a despertar ou do toque de finados. A Grã-Bretanha gritou contra a "Europa dos funcionários" e assustou espanhóis, que arrepiaram caminho e recentraram os votos num PP atolado em escândalos de corrupção e num PSOE que não merece sair da oposição. O Brexit afastou nuestros hermanos do experimentalismo. Oposição, corrupção, centrão - tudo é preferível à incerteza e a nova crise profunda na União.
Fraco consolo, vitória do medo, desistência de um projeto - copo meio vazio. A Europa não tem solução.
Reação, até britânicos receiam consequências, despertar coletivo - copo meio cheio. Oito anos de crise depois, o impulso de antes. Nem oito, nem oitenta. A Europa connosco, não estamos nós nesta Europa com eles. Reino Unido, Espanha unida, as cinco questões que um referendo radical e umas eleições defensivas nos deixam em aberto.

1. Vão nascer novos países? O rastilho do separatismo está aceso. A extraordinária primeira-ministra da Escócia deu o mote certo: nada contra o referendo dos britânicos, apenas querem permanecer na União Europeia. Morte certa: o Reino Unido vai encolher por ali, sem se saber o que acontecerá por lá, pelo Norte irlandês, que fica entre um país que continua a pertencer (a Irlanda propriamente dita) e outro que decidiu sair. A Catalunha, que já sufragou a independência contra a própria Constituição, sofre o primeiro embate do refluxo: a esquerda e a direita constitucionalista reforçam posições, Podemos e Comunistas ficam bloqueados, nacionalistas pouco mais que irrelevantes. Como o Syriza foi a vacina que acabou por fortalecer a austeridade na Europa, o Brexit pode ser o antídoto contra as independências. Dos outros, porque sobre as "suas" logo se verá.
2. Como fica o Reino Unido que sai? Dividido. Socialmente, este referendo revelou dois países. O Leave é o Reino Unido dos mais velhos, dos mais conservadores e dos menos letrados. Por idades: da população entre os 18 e 24 anos, 71% votou pela permanência; com mais de 65 anos, dois terços votaram "sair". Por níveis de escolaridade: com ensino superior, 68% queriam manter-se na EU; abaixo do secundário, 70% da população quis abandonar. Por partidos: 61% dos conservadores Leave; enquanto pouco mais de um terço dos trabalhistas votou Brexit. Londres queria ficar, o exit foi sobretudo rural. A elite política reconfigurada: primeiro-ministro sai pelo seu pé, líder trabalhista sairá ao empurrão.
3. Como reage a União? Firmeza não significa solidez. À manifestação da vontade democrática do povo britânico, reagiram os autocratas, burocratas e eurocratas com sinais de determinação: Go Home! E já. Aplauso de funcionários e jornalistas. Os mesmos que estão a tratar de congelar fundos estruturais a Espanha e Portugal. E os outros tais que irão voltar a noticiar o duplo critério, que absolveu a também incumpridora França. Os britânicos podem ir hoje ou daqui a dois anos embora, que de Bruxelas ninguém nota: a maioria porque está cega; a minoria que vê só olha para o défice. Mesmo quando se aponta a Lua, há quem continue a olhar só para o dedo.
4. Como reage a geringonça? O pedido de referendo do Bloco de Esquerda só não foi inopinado porque o PCP decidiu colocar as coisas como elas são. Pelo menos para os comunistas: quem nos lá meteu, agora que nos tira de lá. É coerente, se não houve referendos para a adesão (primeiro) e para as várias e sucessivas etapas de integração (Ato Único, Maastricht, Tratado de Lisboa), então que seja a mesma Assembleia da República a tomar a iniciativa no regressar pelo caminho contrário. O Bloco e o PCP conseguem ter menos afinidades programáticas com o Governo de Costa do que aquelas que Portas e Passos tinham pessoal e reciprocamente entre si. A verdade é que, no centro-direita, a coisa durou quatro anos e meio. Nesta geringonça de esquerda-esquerda, não há ódios cordiais, o que não é necessariamente melhor: há dois projetos de vida que são intrinsecamente incompatíveis.
5. Qual o maior choque de espanhóis e ingleses? Aqui ninguém queria sair da Europa: um-a-dois contra a Islândia, zero-a-dois na derrota para a Itália. Exit sem êxito. Não há referendo que repare isto. A Catalunha chora duas vezes, porque até Messi abandonou a sua seleção.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?