Os formidáveis dias que terrivelmente vivemos...

É ténue a linha que separa a aventura do aventureirismo, os feitos extraordinários das ruturas históricas e tremendas, o salto do sobressalto, o princípio do fim, os fins dos meios, a construção da desconstrução. A velha metáfora do meio copo cheio ou da outra metade que já está vazia. O saudoso Ernâni Lopes definia os otimistas como pessimistas mal informados. É a linha vermelha que se inventou para separar o aceitável do intolerável, a mesma linha que é tantas vezes pisada por frágeis intransigentes.
A minha idade é suficiente para ter vivido, já como jornalista, a queda do muro de Berlim, antes a revolução de veludo na Checoslováquia, depois a queda do Império soviético, o apocalipse anunciado das fronteiras de África, as mesmas fronteiras que afinal rebentaram na Velha Europa, a devastação da guerra nos Balcãs. E a Europa que se fez por impulso de Kohl e Mitterrand. Que se ergueu numa moeda, atraiu as novas democracias de Leste, que entretanto alargava e deslassava, que passou simultaneamente a atrair e expelir.
A vertigem destes dias convoca-nos para estes tempos binários, de tudo ou nada, do vai ou racha, do toque a despertar ou do toque de finados. A Grã-Bretanha gritou contra a "Europa dos funcionários" e assustou espanhóis, que arrepiaram caminho e recentraram os votos num PP atolado em escândalos de corrupção e num PSOE que não merece sair da oposição. O Brexit afastou nuestros hermanos do experimentalismo. Oposição, corrupção, centrão - tudo é preferível à incerteza e a nova crise profunda na União.
Fraco consolo, vitória do medo, desistência de um projeto - copo meio vazio. A Europa não tem solução.
Reação, até britânicos receiam consequências, despertar coletivo - copo meio cheio. Oito anos de crise depois, o impulso de antes. Nem oito, nem oitenta. A Europa connosco, não estamos nós nesta Europa com eles. Reino Unido, Espanha unida, as cinco questões que um referendo radical e umas eleições defensivas nos deixam em aberto.

1. Vão nascer novos países? O rastilho do separatismo está aceso. A extraordinária primeira-ministra da Escócia deu o mote certo: nada contra o referendo dos britânicos, apenas querem permanecer na União Europeia. Morte certa: o Reino Unido vai encolher por ali, sem se saber o que acontecerá por lá, pelo Norte irlandês, que fica entre um país que continua a pertencer (a Irlanda propriamente dita) e outro que decidiu sair. A Catalunha, que já sufragou a independência contra a própria Constituição, sofre o primeiro embate do refluxo: a esquerda e a direita constitucionalista reforçam posições, Podemos e Comunistas ficam bloqueados, nacionalistas pouco mais que irrelevantes. Como o Syriza foi a vacina que acabou por fortalecer a austeridade na Europa, o Brexit pode ser o antídoto contra as independências. Dos outros, porque sobre as "suas" logo se verá.
2. Como fica o Reino Unido que sai? Dividido. Socialmente, este referendo revelou dois países. O Leave é o Reino Unido dos mais velhos, dos mais conservadores e dos menos letrados. Por idades: da população entre os 18 e 24 anos, 71% votou pela permanência; com mais de 65 anos, dois terços votaram "sair". Por níveis de escolaridade: com ensino superior, 68% queriam manter-se na EU; abaixo do secundário, 70% da população quis abandonar. Por partidos: 61% dos conservadores Leave; enquanto pouco mais de um terço dos trabalhistas votou Brexit. Londres queria ficar, o exit foi sobretudo rural. A elite política reconfigurada: primeiro-ministro sai pelo seu pé, líder trabalhista sairá ao empurrão.
3. Como reage a União? Firmeza não significa solidez. À manifestação da vontade democrática do povo britânico, reagiram os autocratas, burocratas e eurocratas com sinais de determinação: Go Home! E já. Aplauso de funcionários e jornalistas. Os mesmos que estão a tratar de congelar fundos estruturais a Espanha e Portugal. E os outros tais que irão voltar a noticiar o duplo critério, que absolveu a também incumpridora França. Os britânicos podem ir hoje ou daqui a dois anos embora, que de Bruxelas ninguém nota: a maioria porque está cega; a minoria que vê só olha para o défice. Mesmo quando se aponta a Lua, há quem continue a olhar só para o dedo.
4. Como reage a geringonça? O pedido de referendo do Bloco de Esquerda só não foi inopinado porque o PCP decidiu colocar as coisas como elas são. Pelo menos para os comunistas: quem nos lá meteu, agora que nos tira de lá. É coerente, se não houve referendos para a adesão (primeiro) e para as várias e sucessivas etapas de integração (Ato Único, Maastricht, Tratado de Lisboa), então que seja a mesma Assembleia da República a tomar a iniciativa no regressar pelo caminho contrário. O Bloco e o PCP conseguem ter menos afinidades programáticas com o Governo de Costa do que aquelas que Portas e Passos tinham pessoal e reciprocamente entre si. A verdade é que, no centro-direita, a coisa durou quatro anos e meio. Nesta geringonça de esquerda-esquerda, não há ódios cordiais, o que não é necessariamente melhor: há dois projetos de vida que são intrinsecamente incompatíveis.
5. Qual o maior choque de espanhóis e ingleses? Aqui ninguém queria sair da Europa: um-a-dois contra a Islândia, zero-a-dois na derrota para a Itália. Exit sem êxito. Não há referendo que repare isto. A Catalunha chora duas vezes, porque até Messi abandonou a sua seleção.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.