Liberdade condicionada

1 Liberdade. O dia dela. A celebração incondicional. Memórias de quem se emociona porque sabe o que é sem ela viver. Perplexidades de quem nela já nasceu e não pode por isso entender. Um peixe não sabe se a água está fria ou quente, porque nem sequer conhece o significado da própria água. Só quando o tiram de lá sente. Os homens também são assim: aprendem quando sufocam.

As gerações depois da minha partilham outros códigos de liberdade. Ser livre, para eles, é por exemplo estar numa zona com wi-fi gratuito. Há guerras, gente que foge, famílias que se deslaçam, crianças que perdem tudo - isso eles sabem, todos sabemos que existem mas não somos nós. Impossível alguma vez termos sido aquilo!

Não, filho, muitos dos nossos eram presos e torturados, simplesmente porque não concordavam. Muitos viviam na clandestinidade, escondidos e longe das famílias, houve gente que morreu por causa da política. Ou fugia da guerra. Até que houve uma revolução...

E é aí que ficam chocados, quando descobrem que os pais assistiram a uma revolução?!! Como é possível! Já existias?!! E viste aquilo ao vivo?!! E é aí que percebemos que, aos seus olhos, tudo é distante: Mestre de Avis e Salgueiro Maia, castelhanos, mouros e fascistas. Tudo distinto mas igualmente distante.

É nesse momento que nos confortamos, porque o essencial do trabalho está feito - não questionam porque não está em questão. A liberdade é um dado adquirido. Está tudo certo, portanto? Sem razões para sobressaltos.

2 A liberdade vai passar por aí, a liberdade está a trespassar-se, daqui para ali - sem que nos assustemos o suficiente para, pelo menos, alguém dar o sinal de alerta. Somos livres, somos livres, não voltaremos atrás - mas é preciso que alguém os avise de que esta liberdade, aquela que seus pais conheceram, corre sérios perigos. Não é preciso golpe militar, nem ditadores. Nem terrorismo islâmico. A ameaça reside na própria democracia.

É verdade, filho, acabou a tortura e os presos de consciência. Mas a nossa opinião cada vez menos conta. É imposta, da forma mais tortuosa e antidemocrática. Nem os nossos parceiros externos somos agora livres de escolher, as nossas opções de diplomacia não são feitas de forma soberana e autónoma.

Ao dizer que não quer angolanos no nosso sistema financeiro, o Banco Central Europeu está a condicionar mais a internacionalização de empresas portuguesas do que todas as missões de charme que este ou qualquer outro governo pense ali fazer.

Já era normal o "puxão de orelhas" que os políticos eleitos levam em Bruxelas. Muitos afirmaram, sem piscar os olhos e com a maior das normalidades, que o nosso ministro das Finanças foi "enxovalhado" pela Comissão e seus pares quando apresentou um Orçamento mal esboçado.

Tudo isto, a subalternidade em si mesma, tornou-se tão banal e aceitável porque, na verdade e quase unanimemente, este foi o caminho que a esmagadora maioria decidiu seguir. Nunca ninguém me perguntou, no entanto, se continuaria tudo bem no dia em que os banqueiros de Frankfurt também passassem a ter uma palavra determinante na nossa política externa.

3 A coisa conheceu vários nomes: começou por ser adesão, depois integração e enfim a união. É atualmente - e aqui o Bloco de Esquerda atirou certeiro - a antítese mais perfeita do ideário de liberdade e de participação popular, que ontem foi celebrado de norte a sul.

Sempre legitimados por tratados, pela Constituição e nas reuniões de chefes de Estado, os passos foram os certos e previamente anunciados. Ninguém com mais de 40 anos de idade se pode queixar da surpresa - da soberania cedida, da política monetária de que abdicámos e, por força do euro, da orçamental que já não temos.

Não temos política económica, mas, repito, esse era exatamente o propósito. E, sistematicamente, 80% dos portugueses renovavam o seu empenho e compromisso, sempre que chamados a escolher governos e deputados.

Então qual é o problema? Não era este o plano, não estava assim traçado o nosso destino? Não, não e não. O projeto era outro, porque a própria União Europeia já não é a mesma.

Quando nos entregámos de corpo e alma, o caminho era acidentado mas o projeto era auspicioso. A Europa era grande e tinha ambição. Ficou entretanto triste, curta de horizontes e muito mal frequentada.

A cedência dessa liberdade foi consciente e voluntária. Portugal aspirava a fazer parte de algo inédito em democracia. O desafio era o da audácia de homens livres e visionários. A proposta era de paz e de prosperidade. E de magnetismo. Trocávamos a nossa decisão pela visão de todos.

E, pelo caminho, também ninguém chorava por trocar Cavaco por Kohl e Thatcher, ou Guterres por Mitterrand. Fomos, portanto, enganados. E as portas que Abril nos abriu estão, uma a uma, a ser fechadas a sete chaves, por eurocratas medíocres e banqueiros ilegítimos.

4 Fomos enganados, comprámos gato por lebre, mas cá por casa também não se contou a verdade toda. De certa forma, havia um pacto não anunciado na famosa trilogia das liberdades: das pessoas, de mercadorias e dos capitais. Circularam, circularam e passadas as décadas ficou mais claro o sistema de trocas: a liberdade pelo liberalismo.

A liberdade institucional, logo a capacidade de uma nação decidir o seu próprio destino, era assumidamente sacrificada. Fazia parte do contrato. Mas havia cláusulas com letras pequeninas e que ninguém atendeu. Ali se dizia que os Estados enfraqueciam inexoravelmente. E, arrastados por essa fragilidade, os líderes mais frouxos e cada vez mais cobardes. Maré alta, maré alta, maré alta, juros baixos. Somos livres mas estamos presos. Mar revolto e fronteiras fechadas.

Não, filho, o pai não será perseguido por ter escrito o que acabou de escrever. Neste ar que respiramos - e que compreensivelmente não valorizam - herdamos a obrigação de alertar para a liberdade que criticamente vivemos. Podendo livremente criticar. E isso não é coisa pouca. 25 de Abril sempre!

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.