Em Lisboa, havia menos de três meses

Eu chegara a Lisboa para morar havia menos de três meses. O Brasil, pelo visto, não se conformava, porque me mandava uma média de dez cartas por dia. Cartas a que eu naturalmente respondia, o que gerava mais respostas, provocando com isto um infernal tráfico daqueles lindos envelopes aéreos com bordas nas respectivas cores nacionais. O ano era 1973. Os americanos iam e voltavam da Lua a toda hora, mas as comunicações na Terra - hoje sabemos - ainda estavam mais para o correio a cavalo do que para a nave espacial.

Embora fosse enviada de avião, num voo de pouco mais de dez horas, uma carta entre Brasil e Portugal podia levar até dez dias para chegar. Não se sabe o que a carta ficava fazendo durante todo esse tempo. O curioso é que essa demora não nos perturbava - tudo então era mais lento, mais compatível, talvez, com os batimentos cardíacos.

Você se perguntará por que, em vez de escrever cartas, não usávamos o telefone. Porque, em 1973, as ligações internacionais não eram diretas. Tinham de ser pedidas à telefonista e, até que ela nos ligasse de volta avisando que a ligação se completara e podíamos falar, cinco ou seis horas já haviam se passado. Pois, apesar desse desconforto, também não nos queixávamos. Eu, por exemplo, ao pedir uma ligação, já abria imediatamente o Guerra e Paz, de Tolstói, para ter o que fazer enquanto esperava. Ao cabo de um ano, graças às horas à espera da telefonista, li toda a literatura russa do século XIX.

Bem, como estava dizendo, eu chegara a Lisboa para morar havia menos de três meses. Por aqueles dias, sem me avisar, um amigo meu, de passagem por Lisboa, resolveu me visitar. Alugara um carro e tinha minha direção, mas, como não conhecia a cidade, atrapalhou-se. Em busca de Campo de Ourique, foi parar lá para os lados do Rato ou da Estrela. Cansado de rodar, resolveu parar e pedir instruções a alguém. Era domingo de manhã e as ruas estavam desertas, mas havia um homem encostado a um poste, mascando um palito de fósforo. Meu amigo pôs a cabeça pela janela e perguntou:

"Se faz favor, amigo, conhece a Rua Carlos da Maia?"

O homem, em vez de responder, perguntou: "Qual número?"

O meu amigo, sem entender, consultou o papelucho com o endereço e disse: "39."

O homem insistiu: "39, 2.º? A morada do senhor Ruy Castro?"

Meu amigo não acreditou no que ouvia. Era exatamente isto: Rua Carlos da Maia, 39, 2.º.

"Mas como o senhor sabe que é o endereço do Ruy Castro???"

"É muito simples", disse o homem. "Eu sou o carteiro daquela região. Hoje é o meu dia de folga. E este Ruy Castro recebe cartas do Brasil que se farta!"

Jornalista e escritor brasileiro, autor de, entre outros, Bilac Vê Estrelas (Tinta da China).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.