Vamos esperar pela Moody's para puxar pelo país?

A Moody's, a única agência de notação financeira que ainda mantém Portugal num nível de "lixo", afinal só deverá rever o rating atribuído à nação a 20 de abril, segundo o calendário de 2018 anunciado ontem pela empresa. De acordo com os cronogramas de revisão de rating para o novo ano, da parte das quatro maiores agências de notação financeira, a Standard and Poor"s (S&P) será a primeira a pronunciar-se sobre Portugal já a 16 de março, seguindo-se a Moody's e a DBRS, que ambas anunciarão à data de 20 de abril, e por fim a Fitch, que guarda a sua sentença para o dia 1 de junho.

Entre estes quatro gigantes, só a Moody's continua a atribuir à dívida pública portuguesa uma notação de especulação, o "BA1", ou seja, o nível mais elevado da classe de "lixo", mas ainda assim com uma perspetiva positiva, o que quer dizer que, na próxima avaliação a Portugal, a 20 de abril, deverá melhorar o rating atribuído à dívida soberana portuguesa.

E até lá, como vai o país preparar-se para atrair investimento direto estrangeiro? Está na hora de apostar forte em roadshows que promovam Portugal não só do ponto de vista económico e financeiro, mas como hub para a Europa e para o mundo e plataforma de nearshore, como centro tecnológico e de desenvolvimento de um ecossistema de inovação e de startups, além de destino turístico de eleição.

É tempo de apostar numa real diplomacia económica. Depois das celebrações de Ano Novo, em que tantos balanços se fizeram e tantos recados foram deixados, não podemos ficar à espera até 20 de abril para reerguer a cabeça. Com lixo ou sem lixo por parte de uma das agências, está na hora de Portugal tomar as rédeas nas próprias mãos e preparar um ano que se pretende que fique marcado pelo crescimento e investimento, menos esquizofrénico que o anterior.

Arrancamos 2018 com o menor défice da democracia, o maior crescimento económico do século, o menor desemprego da década, um sistema financeiro a caminho da estabilização (com sustentabilidade?) e demos passos largos no trilho da modernização da indústria, da agricultura e da digitalização dos serviços.

A expectativa aumenta à medida que se somam as boas notícias para Portugal. Mas não nos iludamos porque o nível das dívidas pública e externa do país é muito elevado e é preciso aumentar a produtividade e competitividade. É isso que será avaliado pelos mercados e agências de rating, na nova ronda de avaliação. A poderosa S&P deverá avaliar Portugal a 16 de março. A Fitch será a última agência de rating a pronunciar-se sobre Portugal a 1 de junho.

Depois virá o verão, sempre animado pelo sol e praia e, espera-se, sem catástrofes relacionadas com os incêndios... E eis que já estaremos à porta da segunda ronda de avaliações: S&P a 14 de setembro, Moody's e a DBRS a 12 de outubro e Fitch a 30 de novembro. Vale a pena colocar estas datas na sua agenda ou outlook de 2018 porque, gostemos ou não delas, as agências continuam a mexer com o nosso bolso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.