Vamos esperar pela Moody's para puxar pelo país?

A Moody's, a única agência de notação financeira que ainda mantém Portugal num nível de "lixo", afinal só deverá rever o rating atribuído à nação a 20 de abril, segundo o calendário de 2018 anunciado ontem pela empresa. De acordo com os cronogramas de revisão de rating para o novo ano, da parte das quatro maiores agências de notação financeira, a Standard and Poor"s (S&P) será a primeira a pronunciar-se sobre Portugal já a 16 de março, seguindo-se a Moody's e a DBRS, que ambas anunciarão à data de 20 de abril, e por fim a Fitch, que guarda a sua sentença para o dia 1 de junho.

Entre estes quatro gigantes, só a Moody's continua a atribuir à dívida pública portuguesa uma notação de especulação, o "BA1", ou seja, o nível mais elevado da classe de "lixo", mas ainda assim com uma perspetiva positiva, o que quer dizer que, na próxima avaliação a Portugal, a 20 de abril, deverá melhorar o rating atribuído à dívida soberana portuguesa.

E até lá, como vai o país preparar-se para atrair investimento direto estrangeiro? Está na hora de apostar forte em roadshows que promovam Portugal não só do ponto de vista económico e financeiro, mas como hub para a Europa e para o mundo e plataforma de nearshore, como centro tecnológico e de desenvolvimento de um ecossistema de inovação e de startups, além de destino turístico de eleição.

É tempo de apostar numa real diplomacia económica. Depois das celebrações de Ano Novo, em que tantos balanços se fizeram e tantos recados foram deixados, não podemos ficar à espera até 20 de abril para reerguer a cabeça. Com lixo ou sem lixo por parte de uma das agências, está na hora de Portugal tomar as rédeas nas próprias mãos e preparar um ano que se pretende que fique marcado pelo crescimento e investimento, menos esquizofrénico que o anterior.

Arrancamos 2018 com o menor défice da democracia, o maior crescimento económico do século, o menor desemprego da década, um sistema financeiro a caminho da estabilização (com sustentabilidade?) e demos passos largos no trilho da modernização da indústria, da agricultura e da digitalização dos serviços.

A expectativa aumenta à medida que se somam as boas notícias para Portugal. Mas não nos iludamos porque o nível das dívidas pública e externa do país é muito elevado e é preciso aumentar a produtividade e competitividade. É isso que será avaliado pelos mercados e agências de rating, na nova ronda de avaliação. A poderosa S&P deverá avaliar Portugal a 16 de março. A Fitch será a última agência de rating a pronunciar-se sobre Portugal a 1 de junho.

Depois virá o verão, sempre animado pelo sol e praia e, espera-se, sem catástrofes relacionadas com os incêndios... E eis que já estaremos à porta da segunda ronda de avaliações: S&P a 14 de setembro, Moody's e a DBRS a 12 de outubro e Fitch a 30 de novembro. Vale a pena colocar estas datas na sua agenda ou outlook de 2018 porque, gostemos ou não delas, as agências continuam a mexer com o nosso bolso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.