Trabalho: um dia só para alguns

Precisamos assim tanto de ter os hipermercados e os shopping abertos no Dia Mundial do Trabalhador? Que os hospitais, algumas farmácias, os jornais e as televisões funcionem neste dia simbólico considero não só normal mas muito necessário. Mas enquanto clientes e cidadãos devemos perguntar-nos se necessitamos de ir ao hipermercado e ao shopping no 1.º de Maio em vez de dar a oportunidade a milhares e milhares de trabalhadores portugueses - muitos deles mal pagos e com situações precárias - de descansar neste dia mundial que é o seu, o do trabalhador precisamente.

À medida que vamos avançando na sociedade e no desenvolvimento temos vindo a tornar-nos verdadeiros escravos do trabalho, é verdade que uns mais do que outros, porque há sempre os chicos-espertos que se encostam ou tentam passar nos intervalos dos pingos da chuva, esquecendo a dura realidade dos muitos que também precisam de emprego e não o têm. Diria, ainda assim, que quase todos trabalhamos cada vez mais tempo e sob maior pressão. Os novos desafios do mundo laboral assim o têm exigido.

Quais serão os novos desafios do trabalho para os próximos anos? Não saberei dar uma resposta completa, mas sei que entre esses desafios está a digitalização e a robotização. Talvez os robôs ao estilo Sophia - que esteve na Web Summit, em Lisboa - não se "incomodem" em trabalhar sem parar, sem descansar, nem mesmo no 1.º de Maio. Mas veremos se as máquinas, programadas pelos homens, serão mesmo tão resistentes como a máquina humana...

Lidar com a pressão, administrar o imprevisto, gerir emoções e comportamentos exige, pelo menos para já, uma boa dose de fator humano nas veias. Talvez os robôs venham a aprender tudo isto, talvez... mas o futuro do trabalho vai continuar a precisar de nós e vai continuar a precisar das celebrações do 1.º de Maio, como aconteceram ontem. É preciso lembrar que nem sempre foi assim. Nem sempre os trabalhadores tiveram um horário, um subsídio de Natal e um subsídio de férias. Mas também faz falta alertar para o facto de nem sempre ter sido assim a forma como sobrevivemos a 10, 12 e às vezes 14 horas de trabalho nas empresas, cultivando o "presentismo" em vez da liberdade responsável. Tudo está a ter e vai ter impacto na forma como vivemos, na maneira como a sociedade se estrutura, cresce e evolui. E ainda na opção que fazemos em relação à educação dos nossos filhos. Se há um dia mundial que faz sentido para mim, ontem foi um deles.

Com robôs ou sem robôs, é importante sublinhar o papel dos homens e das mulheres como fazedores de um trabalho, de uma missão.

*Diretora do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.