Que nação queremos ser?

O que queremos e o que podemos ser enquanto país? Uma startup nation? Uma green nation? Uma innovative nation? Ontem, a secretária de Estado do Turismo afirmou querer tornar Portugal um exemplo na inovação turística e um destino económica e ambientalmente sustentável.

A governante falava no fórum do Turismo de Cascais e sublinhou que o país deve "estar orgulhoso da qualidade da sua oferta turística e dos resultados alcançados", mas que "é necessário "manter a fasquia elevada". A mesma fasquia terá de ser mantida lá em cima em matéria ambiental. Se nos transformarmos numa green nation conseguiremos ter o melhor turismo, mas também iremos atrair novos e melhores investidores e novos talentos, que valorizam um país cujo posicionamento segue esse sentido, em vez de um país que ainda se gaba - e as estatísticas comprovam-no - de ter salários baixos.

Ser ambientalmente sustentável e ser um país exemplar em matéria de inovação, como almeja a governante Ana Mendes Godinho, ajudará ao reforço do ecossistema das startups. Neste habitat ouvimos frequentemente falar na necessidade de Portugal se tornar uma startup nation. Um país que sabe acolher, desenvolver e expandir startups, um país que impulsiona o capital de risco e os investidores nacionais e internacionais que, arriscando e inovando, vão construindo um país melhor, com mais saídas e com mais emprego qualificado.

Se o país apostar nestes três grandes eixos - startup, green e innovative - tem mais futuro e, acima de tudo, transmite mais esperança às gerações vindouras. Tem mais para oferecer aos trabalhadores, aos empresários, aos consumidores, aos turistas e aos nossos atuais e futuros filhos.

Esta espécie de milagre económico e financeiro a que temos assistido em Portugal só se tornará um milagre sustentável se definirmos uma estratégia para o país com compromissos de médio e longo prazo. Um plano que tenha em conta a diferenciação da nação face aos concorrentes, sempre atentos a qualquer debilidade no turismo, na inovação ou nas startups para se candidatarem a projetos que estão cá mas que podem partir para outras paragens, como a Web Summit.

Que nação queremos ser?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.