Portugal-Angola. Entendam-se! A economia agradece

A tensão entre Portugal e Angola tem vindo a agudizar-se devido ao julgamento de Manuel Vicente, ex-vice presidente de Angola, na era de José Eduardo dos Santos. O executivo de João Lourenço, recém-empossado presidente, tem demonstrado o seu descontentamento para com a justiça portuguesa; poder de um Estado de direito e que, como sabemos, funciona independentemente do poder do executivo.

O processo judicial seguirá os seus trâmites normais e legais. O que nos deve preocupar agora é saber como ficam as empresas e as exportações portuguesas que dependem, em parte, de Angola. Como foi referido num artigo do Dinheiro Vivo no sábado, e que lemos aqui com o Diário de Notícias, o setor da construção civil é o mais representativo no mercado angolano e a medida anunciada por João Lourenço, de rever todos os contratos públicos, não surge por acaso e pode afetar esta área e outras. Será esta medida uma espécie de retaliação?

Ainda é cedo para percebermos o impacto da "revisão de contratos" mas "poderá, em última instância, afetar empresas de vários setores", alerta João Traça, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA). Angola é um mercado "onde as empresas portuguesas vão manter-se", refere. Uma permanência que tem muitas oportunidades mas também tem custos. Custos de querer gerir, fazer negócios, instituir parcerias e ganhar contratos públicos e, ao mesmo tempo, desperdiçar energias a lidar e a digerir a pressão política que se vai sentindo entre os dois países. Costuma dizer-se, muitas vezes e por terras de Luanda, que "em português nos desentendemos".Seria útil para as duas economias que na língua de Camões nos entendêssemos. Todas as empresas terão a ganhar com isso. Angola é um país com mil oportunidades. E, à medida que a relação luso--angolana se agudiza, o que vemos, de imediato, são outras nações a tentar ocupar o espaço económico que Portugal tem tido naquele país. A relação é umbilical e histórica, para o bem e para o mal, pois tão depressa os Estados se intitulam "irmãos" como estão de costas voltadas. Quem ganha com isso? Francamente ainda não percebi onde está o ganho. No final do dia, perdem os empresários e os quadros nacionais que ali encontram forte potencial de crescimento e perdem também os empresários, os estudantes e os quadros angolanos que procuram em Lisboa a universidade para estudar, o estágio para entrar no mercado de trabalho e as parcerias certas para seguir rumo à Europa. Entendam--se! A economia agradece.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.