Ecossistema. Do zero ao unicórnio

Já tínhamos a Farfetch como unicórnio, agora o ecossistema nacional pode orgulhar-se de ter mais um: a OutSystems. A José Neves (líder da Farfetch) junta-se Paulo Rosado (líder da Outsystems), duas das estrelas mais admiradas entre os Fazedores do país e que cresceram no mundo sem fronteiras e alavancado pelo enorme potencial do mundo digital.

A OutSystems não pertence àquele grupo de empresas que fazem as notícias todos os dias. Pelo contrário, é uma startup discreta. Está plenamente dedicada ao desenvolvimento rápido de aplicações low-code. Mas ontem saltou para a ribalta ao anunciar o levantamento de 360 milhões de dólares (cerca de 308 milhões de euros), numa ronda de investimento por parte da KKR e da Goldman Sachs.

Este financiamento será destinado a acelerar a expansão do negócio para investigação e desenvolvimento (I&D) em automação de software, segundo a empresa em comunicado emitido ontem. "Estamos a combater um dos maiores problemas que as empresas enfrentam atualmente - a falta de velocidade e agilidade do desenvolvimento tradicional de software que está a dificultar as iniciativas de transformação digital em todo o mundo", afirmou Paulo Rosado, CEO da OutSystems. "Vemos as empresas a lidarem com isto todos os dias e estamos entusiasmados com esta parceria com a KKR e a Goldman Sachs para resolver esse problema, trazendo mais inovação aos nossos clientes e redefinindo o futuro do desenvolvimento do software empresarial".

Investimentos como este representam mais um passo na solidez do ecossistema de inovação nacional. Provam que quando as empresas se pautam pelas melhores práticas globais conseguem atingir o patamar das melhores do mundo.

O que permite a plataforma low-code da OutSystems fazer? Permite que os clientes acelerem a transformação digital ao reduzir para metade o tempo de desenvolvimento das aplicações. Software developers e utilizadores empresariais têm assim ao seu dispor uma interface visual intuitiva para criarem as suas aplicações. A plataforma suporta um vasto conjunto de aplicações empresariais como soluções para substituir sistemas antigos de ERP/CRM, aplicações móveis e web para processos internos, online banking, entre outras. A Toyota, Logitech, Deloitte, Ricoh, Schneider Electric e a GM Financial já são clientes utilizadores da plataforma.

A OutSystems conta já com milhares de clientes em todo o mundo e acumula receitas acima dos cem milhões de dólares (cerca de 85 milhões de euros) e um crescimento anual de 70%. Para Lucian Schoenefelder, member na KKR, "a OutSystems encaixa-se perfeitamente na estratégia da KKR em apoiar os melhores empreendedores de tecnologia na sua ambição de construírem líderes globais em grandes mercados". Apelidando o negócio de "único", Christian Resch, managing director na Goldman Sachs Private Capital Investing, acrescentou que a OutSystems está "diretamente alinhada com o que procuramos para novos investimentos: o apoio de fundadores excecionais e equipas de gestão em negócios inovadores que oferecem uma oportunidade significativa para criar valor a longo prazo".

Em suma, quando os portugueses se aplicam e acreditam, sabem fazer projetos de excelência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.