E os jovens, pá?

A taxa de desemprego ficou abaixo dos 8% pela primeira vez em 14 anos. A taxa nacional caiu de forma significativa, mais propriamente para 7,8% da população ativa, em dezembro de 2017, revelaram ontem as estimativas provisórias do Instituto Nacional de Estatística (INE). Desde meados de 2004 que a intensidade do desemprego não era tão baixa, indicam as séries oficiais. Os dados de novembro faziam vislumbrar que viria aí uma nova era, uma vez que o INE reviu a respetiva taxa em menos uma décima de ponto percentual, ficando nos 8,1%. No mês seguinte, dezembro, os indicadores voltaram a surpreender: menos 119 mil pessoas sem emprego do que em 2016.

Preocupante tem sido, e já por vários anos, a taxa de desemprego dos portugueses mais jovens. Aliás, 2017 fechou com indicadores bastantes preocupantes nesse campo, quando comparados com a média da União Europeia.

Neste parâmetro, também desta vez há uma boa-nova que vale a pena partilhar: o INE revelou que o desemprego jovem, embora elevado, está a descer de forma equiparada ao desemprego total. Em dezembro, a taxa de desemprego jovem terá recuado para 22,1%, o valor mais baixo desde meados de 2008, ou seja, em quase uma década. No mês anterior, novembro, a proporção de pessoas sem trabalho com idades entre os 15 e os 24 anos já tinha baixado para 22,4% dos ativos nessa faixa etária (86,1 mil casos), face a 24,5% registados antes, em outubro.

A retoma da economia nacional explica estas melhorias. O turismo deu um fortíssimo contributo, bem como a generalidade dos serviços. Com o incremento das exportações, muitos postos de trabalho ligados às indústrias foram criados.Falta agora apostar forte em criar empregos mais qualificados e diferenciadores e que, no fundo, permitam aos jovens preparar-se para a era dos robôs.

As profissões repetitivas, sem valor acrescentado tenderão a acabar para os humanos e serão, num futuro mais breve do que se imagina, desempenhadas por robôs, muitas vezes mais eficientes e mais produtivos do que os humanos.

Isso só é possível com uma forte aposta na academia e no desenvolvimento do talento nacional, com uma maior aproximação entre universidades e empresas para que trilhem o mesmo caminho em vez de vias paralelas e que nunca se cruzam, e com captação de investimento direto estrangeiro que traga para o país não só call centers mas centros tecnológicos e de engenharia partilhados, criando emprego com futuro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.