China-Estados Unidos: Xi é capaz de despentear Trump?

A nova política comercial da administração Trump, com imposição de barreiras alfandegárias a parceiros tradicionais como a União Europeia e o Canadá, assume proporções imprevisíveis porque agora é a China a avisar que vai retaliar contra novas taxas norte-americanas sobre produtos chineses.

Na base do confronto entre as duas maiores economias do mundo, lideradas pelo poderoso presidente Xi Jinping e pelo instável presidente Donald Trump, está a ameaça de Washington de aplicar taxas de 25% sobre produtos chineses de cerca de 50 mil milhões de dólares.

Donald Trump alega, há pelo menos um ano, que a China rouba direitos de propriedade intelectual e, nesta nova tensão económica, há negócios que podem sofrer um rombo como, por exemplo, a indústria automóvel, máquinas, helicópteros ou bulldozers.

O ministro chinês do Comércio já fez questão de frisar publicamente que todos os acordos recentemente estabelecidos entre os dois países ficarão suspensos. Mesmo assim, Donald Trump admitiu estar a preparar mais taxas sobre mais produtos, ao mesmo tempo que afirmou à Fox News que "tem uma ótima relação com o presidente Xi, vamos resolver o assunto e ele percebe que é injusto".

Como é facilmente percetível em qualquer viagem a Pequim ou a Xangai, a Europa tenta tirar proveito desta guerra comercial, em especial os mercados alemão e francês. Portugal também tenta captar mais investimento chinês (e não só para a EDP...) e está a aumentar as exportações, uma vez que a balança comercial é deficitária.

Veja-se a recente operação de charme e de exportação da Super Bock, uma das marcas de cerveja mais vendidas na China, na semana do 10 de Junho, apoiando iniciativas culturais promovidas pelo embaixador de Portugal José Augusto Duarte, como a realização de um concerto de música barroca que obteve indiscutível êxito no conservatório de Pequim e que contou com a presença do presidente da Câmara do Porto e com boa parte do corpo diplomático representado na capital chinesa.

Na China, primeiro conversa-se à mesa, fala-se de cultura, ouve-se o interlocutor, e depois fala-se de negócios, olhos nos olhos. E, nesse aspeto, portugueses e chineses têm hábitos semelhantes. Não é decerto com o Twitter e com guerras de palavras ou barreiras alfandegárias que se vence um povo que construiu, há séculos, os cem mil quilómetros da Grande Muralha que ainda protegem Pequim.

Saibamos ser pacientes, discretos e mostrar a diferenciação dos nossos produtos e a vantagem geográfica atlântica.

Apesar da nossa dimensão enquanto país, é bom que tenhamos a noção de que somos respeitados. Para isso, dispensemos o folclore político do uso imprudente de algumas redes sociais e estejamos mais focados na cultura e na economia que nos podem unir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.