Centeno quer ficar na história

Mário Centeno quer ficar na história graças às metas que vier a alcançar em termos de défice em 2018, e não só. Os objetivos são já de 0,7% em vez de 1% neste ano, de apenas 0,2% em 2019 e ainda antecipa um excedente de 0,7% para o ano de 2020.

Empoderado pela função de governante mas também pelo cargo que desempenha no Eurogrupo, onde ocupa a cadeira de presidente, Mário Centeno não está disposto a ceder uma vírgula, ou melhor uma décima, nos objetivos que tem definidos.

Goste a geringonça ou não, Centeno está determinado. É essa a marca que quer deixar e com a qual pretende fazer história no seio da União Europeia.

Tudo estaria bem não fosse a contestação à esquerda, que pede reforço dos serviços públicos em vez de um défice magro, e não fosse a Fitch a "cortar o barato" (como dizem os brasileiros) ao senhor ministro. É que a agência de rating veio alertar, há menos de 24 horas, que receia "um novo stress no setor financeiro" e que poderá ter efeitos sobre o défice e sobre a dívida.

Um dos maiores riscos da economia portuguesa prende-se, ainda hoje, com os bancos e o sistema financeiro em geral, declara a mesma agência de rating.

Os riscos relacionados com os bancos têm diminuído, mas "o rácio elevado de NPL (créditos improdutivos, onde se inclui o malparado) continua a ser um risco e um constrangimento potencial ao crescimento de médio prazo", aponta a organização no mesmo estudo, divulgado ontem.

Um dos próximos testes em que Portugal terá de passar com distinção acontece já no dia 1 de junho. Nessa data, a Fitch fará uma nova avaliação ao rating português.

Está à vista que a organização tem reparado nas fragilidades do país e isso deve deixar-nos alerta, sobretudo a quem tem o poder governativo. A Fitch está preocupada com o facto de a dívida externa líquida nacional valer quase 90% do produto interno bruto (PIB), um nível que considera "elevado" quando comparado com os outros países que também partilham o rating BBB.

Se por um lado o crescimento da economia é positivo e bem apreciado pelas instituições internacionais como esta, por outro lado a fragilidade do sistema financeiro e a gravidade do malparado poderão vir " a cortar o barato" do executivo. Como cidadã portuguesa, espero bem que assim não seja. Não posso, no entanto, deixar de olhar para a realidade e de ouvir os ecos económicos que vêm de fora. Vale a pena recordar que a Comissão Europeia já alertou para o facto de os bancos nacionais serem dos menos lucrativos da Europa e, mais grave ainda, dos menos capitalizados.

Por todas estas razões e avisos, o cenário da Fitch é mais conservador do que o do executivo e a agência aponta para um défice de 1,3% do PIB neste ano em vez de 0,7% e para um peso da dívida na ordem dos 123% em vez dos 122,2% previstos pelo governo.

Ficar na história não se avizinha uma tarefa nada fácil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.