A liderança e os medíocres iludidos

Amanhã, quinta-feira, António Horta Osório vem jantar a Lisboa. Não é mais um jantar, é sim um encontro de reflexão com antigos alunos do INSEAD, ou seja, de uma das melhores escolas de negócios do mundo, que fica situada em Fontainebleau, França. O banqueiro de origem portuguesa, hoje no cargo de CEO do Lloyds Bank em Londres, é um ex-aluno e traz para cima da mesa o tema, sempre atual, da liderança.

Acredito que só com uma eficaz liderança se conseguem alcançar bons resultados. Mais do que ser um chefe, importa ser um líder, que é aquele que é seguido naturalmente pelos outros, sem se impor, que sabe motivar e inspirar como se se tratasse apenas do ato de respirar, que usa o pulso firme quando é preciso mas também sabe usar do estilo democrático e aplicar palavras de incentivo na hora certa, e que lidera realmente as pessoas ao ponto de as levar a atingir elevados padrões de comprometimento e desempenho organizacional. E, claro, com resultados visíveis e sem a necessidade de se socorrer de ornamentos retóricos.

António Horta Osório tem conseguido cortar as metas predefinidas no Lloyds - os resultados financeiros do Lloyds registaram uma melhoria de 41% face a 2016 - e noutros bancos por onde passou. E vem até cá partilhar o modo como lidera. Muitos ex-alunos do INSEAD irão ao jantar de quinta-feira porque o admiram, outros irão porque o invejam. Sobretudo os que não se conformam com o facto de ser o banqueiro mais bem pago da City.

Esta semana, os quatro maiores bancos ingleses apresentaram as suas contas - que confirmaram a recuperação do setor bancário inglês - e, além dos lucros, deram também a conhecer os salários dos seus gestores de topo. Entre os quatro grandes homens da City está o português, António Horta Osório. O salário dos quatro mais bem pagos é formado por uma base fixa e uma componente variável, que inclui bónus e prémios. No total, o banqueiro mais bem pago leva para casa cerca de 6,4 milhões de libras (7,2 milhões de euros) e é precisamente o português. Se é muito ou pouco, não me cabe a mim dizer e nem fazer de patrão.

Acredito na meritocracia. Creio que quem faz mais e, sobretudo, quem faz melhor deve ser premiado por isso. Só com uma cultura de meritocracia conseguiremos distinguir e reter os verdadeiros talentos nas nossas empresas e no nosso país. De outro modo, estaremos a permitir aos medíocres que continuem a ter a ilusão de que são iguais aos melhores do mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.