2018, um ano menos esquizofrénico?

Faltam apenas quatro dias para acabar o ano. Muitos já apelidaram 2017 de esquizofrénico, ou seja, teve tanta coisa boa como má, desde o crescimento económico aos gigantescos incêndios que mataram tantos portugueses. Por isso, o meu maior desejo para 2018 é que essa esquizofrenia se desvaneça. Não acredito que desaparecerá por completo; afinal, nenhum país vive sempre num mar de rosas. Mas se se desvanecer já será positivo.

A política e a economia precisam disso. Precisam de estabilidade para que Portugal possa crescer mais durante 2018. Precisam de estabilidade política e económica e, nesta, destaca-se a previsibilidade fiscal e laboral. Precisam de mais emprego, que crie riqueza, continue a dinamizar o consumo e, se possível, afaste os portugueses da pobreza.

O primeiro-ministro afirmou, na sua mensagem de Natal dirigida aos portugueses, que o emprego será uma prioridade para 2018, sem esquecer os incêndios. Aliás, os assuntos económico-financeiros estiveram em destaque na segunda parte do discurso oficial. "Mais e melhor emprego" foi o que o primeiro-ministro prometeu "naquilo que é humanamente possível". Recordou a saída do país do Procedimento por Défices Excessivos na União Europeia, o crescimento e os 242 mil novos postos de trabalho.

Agora é tempo de olhar para a frente, para 2018. É preciso mais emprego digno a troco de salários justos e ainda de oportunidades de desenvolvimento profissional que façam que os alunos universitários e os chamados cérebros (ou talentos já com carreiras profissionais encetadas) passem a ter vontade de ficar em Portugal, em vez da ânsia de sair, não apenas para ganhar mundo e crescer profissionalmente, mas, tantas vezes, por mera necessidade de arranjar um emprego que premeie os muitos anos de estudo, formação e investigação.

Se o país conseguir reter talentos mais facilmente, estará também preparado para enfrentar o novo paradigma da indústria 4.0, o desafio de digitalização - quer do setor privado quer da administração pública -, o desafio da robótica e da inteligência artificial. Mais emprego trará a Portugal, além de menos bipolaridade ou esquizofrenia, um menor fosso entre ricos e pobres e menor fosso entre função pública e setor privado. Mas, como mais emprego não se dita por decreto, é preciso tudo o resto. A estabilidade, referida umas linhas mais acima, é que permitirá estimular o investimento nacional e estrangeiro.

A Alemanha e a Espanha têm sido os maiores investidores em Portugal, enquanto a França liderou em matéria de criação de emprego e foi o quarto país em número de projetos criados (dados de 2016). Em 2018, precisamos de mais IDE e de diversificar a origem, seja dos EUA, Europa, Angola, Brasil, Macau ou China.

Importa acolher e acompanhar esses investidores que, por vezes, chegam com ideias preconcebidas ou desenquadradas da realidade portuguesa. Cabe a cada líder, a cada gestor e a cada trabalhador contribuir com esse enquadramento para que tenhamos mais riqueza e emprego (e menos esquizofrenia), até porque todos precisamos de saber muito bem por onde vamos e com quem vamos, em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.