Obrigado, Facebook, por ires criar casais

A futura nova ferramenta do Facebook para encontros amorosos, apresentada nesta semana por Mark Zuckerberg na já tradicional conferência F8, irá competir com plataformas como o Tinder, mas representa, em boa verdade, um regresso às origens da rede social. E é também uma jogada com potencial para ser genial, mas já lá vamos.

Apesar de o escândalo da Cambridge Analytica não ter tido verdadeiro impacto no nível de utilização da maior rede social do mundo (como aqui escrevi - www.dn.pt/i/9293249.html -, o número de utilizadores até subiu no primeiro trimestre do ano), as ondas de choque do caso fazem-se sentir. Zuckerberg, perante o Congresso dos Estados Unidos, falou na hipótese da criação de uma versão paga do Facebook, sem publicidade, e agora na F8 anunciou ainda uma nova ferramenta para que cada um consiga mais facilmente controlar que dados são partilhados com que apps.

Depois, falou no referido novo serviço para arranjar encontros amorosos. Ou seja, enquanto com uma mão prometia dar mais controlo aos utilizadores sobre as informações que partilham na rede, com a outra aliciava-os a deixarem que os seus dados fossem ainda mais usados para os ligar a outras pessoas.

O que faz sentido: o Facebook nasceu em Harvard como uma forma de os estudantes do campus saberem quem estava "solteiro e disponível", quem tinha acabado de sair de uma relação e, como tal, provavelmente a precisar de alguém para "mudar de ares". Não se trata de o Facebook só agora passar a ter uma plataforma para engates - ele, na realidade, foi criado para facilitar encontros cujo objetivo final, como tanta coisa na vida, é o sexo. O resto foram construções sociais que se fizeram em cima do projeto inicial (aliás, tal como sempre se faz quando se trata de sexo).

De qualquer forma, Zuckerberg garante que o objetivo da nova funcionalidade (que ainda não tem nome nem data oficial para arrancar) é arranjar-se relações duradouras, não apenas encontros esporádicos. O que até é possível. Afinal, o Facebook sabe mais acerca de cada um de nós do que nós próprios. Cada clique que damos na rede alimenta o sistema e está mais do que demonstrado que os algoritmos são incrivelmente bons a traçar perfis a partir destes elementos. Usá-los para ligar pessoas "compatíveis" é um passo lógico e só surpreende o facto de tal não se ter feito mais cedo.

Além disso, criar casais a partir daquilo que as pessoas dizem e fazem na internet tem uma vantagem genial: serão muitos (imensos mesmo) os casos em que se aplicará a velha expressão "Olha, só se estraga um lar!"

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.