500 milhões de contas roubadas. Será uma a sua?

Com tantos dados de contas a serem roubados, é bem provável que os seus já tenham ido. Algumas dicas úteis que ajudam a manter as suas contas seguras e de boa saúde

Muito provavelmente já sabe: roubaram as passwords de 500 milhões de contas do Yahoo. Foi a própria empresa quem o reconheceu, quinta-feira. Pormenor: a pirataria informática aconteceu em 2014. Ou seja, há dois anos que os dados andam à solta na dark web à espera de quem consiga quebrar a criptografia que os protege. Se é (ou alguma vez foi) utilizador dos serviços Yahoo não caia na tentação de "deixar andar".

É verdade que a dimensão de fugas de informação como a desta semana (que está longe de ser a maior - em agosto de 2014, o New York Times noticiava que um grupo de piratas russos tinha conseguido 1,2 mil milhões de palavras-passe de vários sistemas online) ajuda de certa forma à sua segurança. No meio de tanta informação, qual a probabilidade de a sua conta ser uma das "eleitas" para ser invadida?!

Mas pode acontecer. Até porque, muito provavelmente, os seus dados estão mesmo entre os milhões capturados. Por isso (se é que já não o fez) apresse-se a mudar a sua palavra-passe do Yahoo - ou do Flikr, ou do Tumblr (são empresas Yahoo), ou de qualquer outro serviço online que tenha ligado a essa conta. E, já agora, por favor tenha em conta estas dicas:

1. Crie passwords longas, com letras em maiúsculas e minúsculas e caracteres "especiais". O melhor para isso é criar mnemónicas e substituição de caracteres. Por exemplo, os benfiquistas podem escolher qualquer coisa como 0B3nfic@EoMAIOR!

2. Use palavras-passe diferentes para cada conta. Parece impossível, tendo em conta a quantidade de acessos diferentes que a nossa vida cibernética exige, mas é a forma de impedir que a conjugação e-mail/password de uma conta sirva para aceder a outras. Mais uma vez, porque não somos computadores, a forma de não se esquecer pode passar por criar mentalmente associações. Por exemplo: o Gmail é o seu principal correio eletrónico e o Sporting o clube do coração? "Ligue" as duas coisas na palavra-passe, tipo AC@ixaD0#LEAO.

3. Utilize um programa de gestão de passwords. São apps para computador e/ou telemóvel que são uma espécie de cofre-forte para todas as suas credenciais. Utilizam sistemas de encriptação avançada que garantem a segurança dos dados. Existem vários, como o 1Password, o LastPass ou o Enpass e todos têm a possibilidade de gerar códigos aleatórios que pode usar como palavras-passe nas suas contas. É claro que, como qualquer cofre, a sua segurança depende também da password que escolhe para o próprio programa. Siga os mesmos princípios já referidos, tipo (ainda na senda futebolística): 0$F&lho$DoDRA6AO

4. Ligue o sistema de dupla autenticação. Esta é uma função existente em muitos serviços online, como Yahoo, Gmail, Outlook, Facebook ou Twitter. Trata-se de criar uma segunda "camada" protetora ao seu login, através de um código único gerado pelo sistema e enviado por sms para o telemóvel ou para uma conta de e-mail alternativa. Outra opção é usar uma app como o Google Authenticator ou o Authenticator da Microsoft, que se sincroniza com a conta e que gera um código aleatório para utilizar a cada login.

5. Ative os sistemas de alertas. A maioria dos serviços online atuais (e-mail, redes sociais, blogues...) incluem a opção de ser-lhe enviado um e-mail ou sms quando a conta é acedida pela primeira vez numa localização ou através de um dispositivo desconhecido. O que lhe permite tomar medidas imediatas e assim evitar o pior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.