Fogo e fúria

O livro esgotou em minutos e é um retrato perturbador da eleição e do primeiro ano de Donald J. Trump na Casa Branca. Michael Wolff, autor e colunista da Hollywood Reporter, uma revista dedicada à indústria do cinema, teve acesso privilegiado à Casa Branca, fez mais de 200 entrevistas com elementos da equipa e com o próprio presidente ao longo de ano e meio.

A forma como tudo começou é reveladora. A seguir à eleição e depois de ter feito uma entrevista com Trump em plena campanha, em junho de 2016 - entrevista que o então candidato parece ter aprovado -, Michael falou com o presidente e disse-lhe que pretendia ter acesso livre à Casa Branca, apenas para observar e escrever. Tudo seria depois compilado num livro. A conversa foi breve, chegou a ser entendida como um pedido de emprego, o que o autor recusou, e acabou com Trump a elogiar um outro escritor, autor de livros muito críticos de Hillary Clinton. Ao que o próprio Michael Wolff conta, como o presidente não rejeitou logo ali a ideia e como, por aqueles dias, ninguém parecia saber muito bem como interpretar as vontades de Donald Trump, essa não rejeição acabou por ser encarada como aprovação. Wolff conquistara acesso livre a muito do que se passaria na Casa Branca nos meses seguintes.

A rotina foi a mesma durante boa parte deste primeiro ano de mandato. Hospedado num hotel em Washington, atravessava a rua, entrava na Casa Branca e sentava-se num sofá da ala oeste - a ala executiva, onde está a Sala Oval. Pelo corredor onde costumava sentar-se, passavam todos os nomes da nova administração. Steve Bannon, Kellyanne Conway, Reince Priebus, Jared Kushner, Mike Pence, Michael Flynn Tinha acesso a todos eles.

Lendo os pedaços entretanto publicados, o relato deste primeiro ano anda algures entre uma comédia e um filme de catástrofe. Um ambiente surreal numa casa de caos, disfuncional, sem liderança, em permanentes guerras fratricidas entre diferentes fações e com um presidente descrito, pela maioria dos entrevistados, como uma criança. Uma teimosa, egocêntrica e instável criança.

O relato mais interessante é, apesar de tudo, o da noite eleitoral. É o momento em que o autor junta as peças e conclui que Trump nunca pensou que seria, nem queria verdadeiramente ser, presidente dos Estados Unidos. Quando a tendência se inverteu e as televisões passaram a dar como certa a vitória do candidato republicano, Trump parecia que tinha visto um fantasma e Melania estava em lágrimas - não de alegria. A descrição é de um dos filhos do presidente e demonstra que o plano era mesmo deixar o país entregue a Hillary Clinton, beneficiando do estatuto de candidato derrotado para reforçar a marca Trump e fundar um canal de televisão. É a confirmação de que Donald Trump nunca se preocupou verdadeiramente com as bases que o elegeram. Um presidente por acidente na maior potência militar e na maior democracia do globo é muito mais do que uma piada de mau gosto. É uma ameaça real.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.