Assunção e um pecado capital

Assunção Cristas apresentou-se ontem no congresso de Lamego com um discurso de uma nota só. As ideias de que será em 2019 que vão a eleições lutar pelos votos do centro-direita em pé de igualdade com o PSD, de que ela, Assunção Cristas, é candidata a primeira-ministra e de que o CDS é a única e verdadeira alternativa ao governo do PS são, afinal e bem espremidas, uma só: na cabeça da líder, chegou a hora do CDS. A soberba é um dos sete pecados capitais, o que não fica nada bem num partido que se diz da democracia-cristã.

Mas há um problema no discurso de Assunção. O anúncio de uma ambição desmedida e em contrassenso com toda a história eleitoral do partido pode ajudar a animar plateias de delegados, mas se for, como foi, desacompanhado de uma qualquer ideia de estratégia, de como lá chegar, sabe a poucochinho. No fundo, Cristas sabe onde quer chegar, aparentemente tem a dose certa de ambição, mas falta-lhe saber como desenhar o caminho no mapa.

Depois há a desvalorização do PSD. Cristas ignorou Rui Rio e o partido que tem classificado como seu aliado natural em caso de necessidade. Não se entende bem porquê, até porque essa desvalorização do parceiro grande é algo que, historicamente, nunca correu bem ao CDS. O PSD está a iniciar um novo ciclo, está a reposicionar-se - o que até poderia ser útil ao CDS, libertando votos mais à direita - e a única sondagem disponível pós-Rio deixou esta semana notas que deviam preocupar o CDS. Assunção Cristas e a sua direção bem podem anunciar-se ao país e ao mundo como "a única alternativa a António Costa" que, como é hábito e está nos livros da ciência política nacional, sempre que o PSD ganha corpo, o CDS encolhe. A tal sondagem diz isso mesmo. O PSD recuperou meia dúzia de décimas e o CDS caiu um ponto, para 5,4%.

Cinco vírgula quatro. É esta a base de onde Assunção quer saltar para o assalto aos votos do centro-direita e para um ano e meio de concorrência eleitoral com o PSD de Rui Rio. Se parece improvável é porque, muito provavelmente, será impossível. Daqui até setembro ou outubro de 2019 o CDS propõe-se manter este discurso? E qual é o plano B se as sondagens continuarem a colocar o partido nessa fasquia? Em política a gestão de expectativas é uma arte e não me parece que a liderança do CDS esteja a ser minimamente cautelosa ao fixar os objetivos que fixou em Lamego. Portugal não é Lisboa e o embalo de uma campanha única, com o PSD em falta de comparência, não pode servir de modelo para as duas campanhas que aí vêm - europeias e legislativas.

O CDS de Assunção Cristas tem-se afirmado no Parlamento sobretudo pela capacidade que a líder tem demonstrado em irritar o primeiro-ministro. É pouco. A transição de liderança, muito mais bem gerida por Paulo Portas do que a do PSD, não resultou, até ver, num projeto para o país verdadeiramente diferenciador. Não chega anunciar que é a "única alternativa", é preciso colar a esse slogan um programa que os eleitores valorizem. O CDS bem poder anunciar, como ontem dizia Mota Soares no Almoço com... aqui no DN, que tem propostas próprias para todas as áreas e para todos os temas, bem pode gritar que apresentou largas dezenas de propostas de alteração ao OE e que ninguém lhes ligou nenhuma. Essa capacidade de trabalho, se não tiver uma ideia para o país que a unifique e consolide, de pouco valerá.

De Lamego chegou-nos até agora pouco mais do que a soberba. O discurso de apresentação da moção de estratégia foi pouco mais do que isso. Num partido que já foi de nichos, de todos os nichos disponíveis a cada momento - pensionistas, contribuintes, lavoura, segurança - espera-se agora que cole à ambição um projeto e uma ideia de país. Ainda lhe sobra o discurso desta tarde, cara Assunção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.