Assunção e um pecado capital

Assunção Cristas apresentou-se ontem no congresso de Lamego com um discurso de uma nota só. As ideias de que será em 2019 que vão a eleições lutar pelos votos do centro-direita em pé de igualdade com o PSD, de que ela, Assunção Cristas, é candidata a primeira-ministra e de que o CDS é a única e verdadeira alternativa ao governo do PS são, afinal e bem espremidas, uma só: na cabeça da líder, chegou a hora do CDS. A soberba é um dos sete pecados capitais, o que não fica nada bem num partido que se diz da democracia-cristã.

Mas há um problema no discurso de Assunção. O anúncio de uma ambição desmedida e em contrassenso com toda a história eleitoral do partido pode ajudar a animar plateias de delegados, mas se for, como foi, desacompanhado de uma qualquer ideia de estratégia, de como lá chegar, sabe a poucochinho. No fundo, Cristas sabe onde quer chegar, aparentemente tem a dose certa de ambição, mas falta-lhe saber como desenhar o caminho no mapa.

Depois há a desvalorização do PSD. Cristas ignorou Rui Rio e o partido que tem classificado como seu aliado natural em caso de necessidade. Não se entende bem porquê, até porque essa desvalorização do parceiro grande é algo que, historicamente, nunca correu bem ao CDS. O PSD está a iniciar um novo ciclo, está a reposicionar-se - o que até poderia ser útil ao CDS, libertando votos mais à direita - e a única sondagem disponível pós-Rio deixou esta semana notas que deviam preocupar o CDS. Assunção Cristas e a sua direção bem podem anunciar-se ao país e ao mundo como "a única alternativa a António Costa" que, como é hábito e está nos livros da ciência política nacional, sempre que o PSD ganha corpo, o CDS encolhe. A tal sondagem diz isso mesmo. O PSD recuperou meia dúzia de décimas e o CDS caiu um ponto, para 5,4%.

Cinco vírgula quatro. É esta a base de onde Assunção quer saltar para o assalto aos votos do centro-direita e para um ano e meio de concorrência eleitoral com o PSD de Rui Rio. Se parece improvável é porque, muito provavelmente, será impossível. Daqui até setembro ou outubro de 2019 o CDS propõe-se manter este discurso? E qual é o plano B se as sondagens continuarem a colocar o partido nessa fasquia? Em política a gestão de expectativas é uma arte e não me parece que a liderança do CDS esteja a ser minimamente cautelosa ao fixar os objetivos que fixou em Lamego. Portugal não é Lisboa e o embalo de uma campanha única, com o PSD em falta de comparência, não pode servir de modelo para as duas campanhas que aí vêm - europeias e legislativas.

O CDS de Assunção Cristas tem-se afirmado no Parlamento sobretudo pela capacidade que a líder tem demonstrado em irritar o primeiro-ministro. É pouco. A transição de liderança, muito mais bem gerida por Paulo Portas do que a do PSD, não resultou, até ver, num projeto para o país verdadeiramente diferenciador. Não chega anunciar que é a "única alternativa", é preciso colar a esse slogan um programa que os eleitores valorizem. O CDS bem poder anunciar, como ontem dizia Mota Soares no Almoço com... aqui no DN, que tem propostas próprias para todas as áreas e para todos os temas, bem pode gritar que apresentou largas dezenas de propostas de alteração ao OE e que ninguém lhes ligou nenhuma. Essa capacidade de trabalho, se não tiver uma ideia para o país que a unifique e consolide, de pouco valerá.

De Lamego chegou-nos até agora pouco mais do que a soberba. O discurso de apresentação da moção de estratégia foi pouco mais do que isso. Num partido que já foi de nichos, de todos os nichos disponíveis a cada momento - pensionistas, contribuintes, lavoura, segurança - espera-se agora que cole à ambição um projeto e uma ideia de país. Ainda lhe sobra o discurso desta tarde, cara Assunção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...