Bom como o pão

Chama-se Giuseppe, o pai é italiano e a mãe portuguesa e o vício do surf levou-o a abrir uma pizzeria em Portugal. Falávamos destas e doutras quando assomou à porta um senhor dos seus sessenta anos, mal vestido, mochila esfarrapada, o rosto magro e sem expressão.

- Não me aceitam no abrigo, tenho três euros e quarenta, dá para comer uma pizza pequenina?

Sabia que não o ia expulsar, parecia-me um rapaz decente, mas não estava preparado para o que se seguiu. O Giuseppe convidou-o a entrar e a sentar-se à mesa, aliviou-o da mochila e passou-lhe o cardápio para a mão.

- Pode ser com chouriço?

- Pode, e de azeitonas gosta?

Preparou-lhe a pizza e serviu-o, não aceitou o dinheiro e ainda lhe disse que voltasse quando tivesse fome.

Comovi-me com aquilo e veio-me à memória uma expressão italiana que se aplica ao pizzaiolo: un uommo buono come il pane.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.