Génios do Bem

Nunca conheci nenhum génio.

Conheci e conheço muitas pessoas extraordinárias, que fizeram e fazem coisas extraordinárias. Artistas, cientistas, aventureiros, mestres, activistas... O mundo está cheio de grandes inspiradores e de feitos memoráveis.

E também, muitas vezes acontece, pessoas normais, vulgares, anónimas cometerem actos invulgares, excepcionais, extraordinários.

Génios é outra coisa. Não que seja importante determinar com rigor a partir de quando ou de quanto é que determinado indivíduo passa a ser considerado um génio.

Não é só uma questão de QI. O quociente de inteligência não chega se não se traduzir em obra. E não é necessariamente uma inteligência mensurável. Ou, por definição, convencional. É uma inteligência que, sem sabermos exactamente como, produz uma leitura do real que até aí ninguém tinha feito e que passa a partir daí a ser indissociável desse mesmo real.

Nunca conheci nenhum génio, mas posso ter-me cruzado com um, sem o saber. Quem sabe a mulher por quem passei há pouco seja um génio e eu nem faço ideia. Ou aquele miúdo a brincar no jardim venha a ser um outro génio que mude o mundo e a nossa maneira de olhar para ele.

Tantas pessoas se cruzaram com Fernando Pessoa na Baixa de Lisboa, naquelas primeiras décadas do século passado, sem saberem que aquele homem comum, discreto, indistinto, estava a escrever a obra mais importante do século XX português, uma das mais importantes e inteligentes obras do mundo daquele tempo. Sem saberem que aquele era o maior, porventura o único, génio português do século.

Diverte-me pensar que o meu avô, ou o meu tio, que trabalhava na Baixa naquele tempo, ou o meu pai, que começou a trabalhar muito novo em escritórios nessas ruas, podem ter viajado de eléctrico com o Pessoa, trocado umas palavras com ele, ter-lhe dito bom dia.

Fico fascinado ao imaginar estes cruzamentos de figuras históricas ou da nossa história pessoal, que partilham a mesma época e habitam ou viajam pelos mesmos lugares - ao fantasiar os seus encontros prováveis e improváveis, as hipóteses de histórias, ou pelo menos de incidentes romanescos, que essas combinações de encontros desencadeiam.

Pessoa foi talvez o único génio português do seu tempo. Mas só nos apercebemos da sua dimensão muito depois de ele ter morrido. Como se o seu tempo não estivesse preparado para o reconhecer.

Há sempre uma inadequação do génio ao que é dominante na sua época, precisamente porque ele vem pôr em causa a percepção convencional desse tempo.

Hoje estamos a viver tempos terríveis com notícias cada dia mais preocupantes sobre o estado do mundo: o equilíbrio ecológico do planeta ameaçado, as comunidades livres e democratas cercadas de estupidez e ódio.

Precisamos como nunca de génios neste momento da civilização em que nos encontramos. Precisamos de ideias geniais que salvem os oceanos e as florestas, o planeta e as espécies animais que nele vivem e, por fim, que nos salvem a nós de nós próprios, humanos.

Mas a salvação não vai chegar de nenhuma figura providencial genial ou espiritual, messiânica. Nunca chegou.

Num cartoon recente, uma personagem perguntava à outra: "E agora, o que faremos?" E a outra respondia: "Poesia, esses canalhas não suportam poesia".

É um bom princípio.

No livro de poemas "Estar Em Casa", Adília Lopes escreveu: "Só gosto das pessoas boas quero lá saber que sejam inteligentes artistas sexy/sei lá o quê/se não são boas pessoas/não prestam".

Ricky Gervais, um dos mais famosos comediantes da actualidade, escreveu e produziu em 2012 uma curiosa série, Derek.

Derek é a história de Derek Noakes um homem de 50 anos que trabalha num lar de idosos. Derek é uma personagem peculiar, vulnerável, com um comportamento infantilizado e um desenvolvimento intelectual que, digamos, oferece desafios.

O que é muito interessante na série é a forma como ele nos mostra no ambiente fechado daquele lar de idosos - imagem grotesca, crua e desapiedada daquilo que acabará por se tornar a nossa existência - que, mais importante do que ser esperto ou bonito, é ser amável, ser bom.

A bondade tem sido muito desvalorizada. Valoriza-se a beleza, a inteligência, a criatividade, o talento, o poder, a rebeldia, mas não a bondade.

Talvez porque a bondade tenha sido tomada pelas religiões, e na nossa sociedade ocidental pelo cristianismo e pelo catolicismo. E se é inegável a extraordinária mensagem que a personagem de Cristo e o Novo Testamento trouxeram à nossa civilização, precisamente no sentido de louvar e praticar o bem; e que muito do que de bom tem sido feito em prol dos outros tem sido feito no âmbito das instituições religiosas - é agora tempo de o fazer de forma prosaica, sem tralhas eclesiásticas, sem profetas, sem deus, sem deuses.

O que hoje precisamos é de acção política directa, de cidadania corajosa e militante contra todo o ódio. E, mais do que nunca, o que precisamos é do culto e da prática diária da bondade.

Ler mais

Exclusivos