A primeira vitória de Trump

Mais de um ano após a eleição, Trump obteve a sua primeira grande vitória programática, conseguindo fazer aprovar no Congresso o projeto de redução de impostos prometido durante a campanha eleitoral. Uma vitória que sairá cara à América e será má influência para a Europa.

1. Apesar desta vitória, continua a impressionar a capacidade de resposta dos cidadãos norte-americanos às investidas de Trump. Respostas que têm sido alimentadas por informação e estudos produzidos por universidades e think tanks. Desta vez, ainda com o programa de redução de impostos em discussão e elaboração na especialidade, o Tax Policy Center apresentou um importante relatório que revela o que verdadeiramente está em causa na reforma de Trump.

2. O objetivo explícito do programa de redução de impostos é deixar nas empresas recursos financeiros que se afirma irem ser investidos, assim se promovendo o crescimento da economia. Adicionalmente, Trump promete reduzir os impostos para todas as famílias, beneficiando sobretudo as classes médias. Porém, o estudo agora divulgado demonstra que as consequências serão bem diferentes. Demonstra, em primeiro lugar, que é impossível sustentar que os recursos que as empresas acumularão por pagarem menos impostos serão prioritariamente investidos, pelo que não é segura que a redução fiscal se traduza em crescimento da economia e do emprego. Aliás, o corte de impostos pagos pelas maiores empresas americanas é proposto numa altura em que aquelas geram lucros recorde que colocam em paraísos fiscais, isto é, num momento em que o problema da economia não é a falta de recursos privados para investimento.

3. Em segundo lugar, demonstra que a reforma beneficiará sobretudo os mais ricos e não as classes médias, como se percebe facilmente pela leitura do gráfico aqui reproduzido. Com a reforma de Trump, o aumento de rendimento depois da redução dos impostos a pagar pelos 20% da população menos rica não ultrapassará os 0,2% (equivalente a mais 50 dólares por ano), enquanto os 20% mais ricos beneficiarão de um aumento de 3% (10,6 mil dólares). A desigualdade dos benefícios da reforma é ainda mais clara se considerarmos o que acontecerá aos 1% mais ricos ou aos 0,1% dos super-ricos: aumentos de rendimento de 8,7% (207 mil dólares) e de 9,7% (mais de um milhão de dólares), respetivamente.

4. Finalmente, demonstra que a reforma provocará um aumento colossal do défice e da dívida públicos. Só na primeira década, o programa fiscal de Trump aumentará o défice em 2,4 biliões de dólares (ou 2,4 triliões, se usarmos a notação norte-americana). Deste aumento resultará, mais do que provavelmente, uma rápida degradação dos programas públicos na saúde, na educação e nos apoios aos mais carenciados, alvos privilegiados da direita republicana em processos de ajustamento. Degradação que não compensará os cortes mínimos de impostos para os americanos com menos rendimentos e será justificada com a redução das receitas fiscais que ativamente se promoveu para benefício de uns poucos à custa da maioria.

5. Não se trata, portanto, de um plano para tornar a América mais rica, mas de um projeto para tornar os ricos ainda mais ricos e favorecer as grandes empresas. Como diz Robert Reich, o que move Trump e os republicanos não é o amor à América, mas o amor ao dinheiro. Sem pudor, vários deputados e senadores republicanos vieram justificar a aprovação do projeto de reforma fiscal com a necessidade de responder às expectativas dos mais ricos apoiantes do partido, que ameaçavam cortar o financiamento das próximas campanhas eleitorais se a reforma não fosse concretizada.

6. A ideia de que existe, sempre, uma relação virtuosa entre redução de impostos e crescimento da economia não é nova nos EUA. Com os presidentes Regan e Bush foram aprovadas políticas fiscais semelhantes. Porém, sabe-se, de há muito, que os resultados dessas políticas foram não o crescimento económico mas o aumento da dívida pública e a financeirização da economia, a qual levou à crise de 2008, acompanhados pelo crescimento das desigualdades e o empobrecimentos das classes médias.

7. Apesar de tudo o que se sabe, também do lado de cá do Atlântico esta ideia faz caminho. Os impostos, diz-se, pesam sobre a economia e os cidadãos. À direita, omite-se que o crescimento económico é tributário dos investimentos do Estado em infraestruturas e no apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico, bem como das despesas com políticas de construção do bem comum, como os serviços públicos de educação, de saúde e de proteção social. São os incrementos de produtividade e o aumento da procura resultantes destas políticas que incentivam e viabilizam a orientação empresarial para o investimento. Infelizmente, a esquerda tem muitas vezes dificuldades com a demarcação clara em relação à ideia da bondade da redução dos impostos. Não raras vezes utiliza, no debate público, expressões como carga fiscal e peso dos impostos, omitindo que não é possível defender, ao mesmo tempo, redução de impostos e alargamento das funções e responsabilidades do Estado.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.