Tão português que é afinal este Uruguai

Descobri o Uruguai através de Colónia de Sacramento, como tantos europeus que visitam Buenos Aires e não perdem a oportunidade de dar um pulo à outra margem do rio da Prata e acrescentar um segundo país à Argentina. Claro que sabia que a cidade tinha sido fundada por Manuel Lobo em 1680, quando o império português se esticava o máximo para sul à custa do espanhol. E essa memória de Portugal não só é mantida como muito acarinhada.

Mas os laços com o Uruguai são surpreendentemente mais vastos, como me explicou um dia a embaixadora Brigida Scaffo, contando que foram famílias açorianas que fundaram San Carlos no século XVIII. É verdade que não se sabe se eram voluntárias ou trazidas à força por Pedro de Cevallos, o vice-rei espanhol que tudo fez para expulsar Portugal daquelas paragens, conquistando até Colónia, mas serve bem para ilustrar o quão complicado foi o definir de fronteiras por aquelas bandas.

E as Guerras Napoleónicas, com D. João a transferir a capital para o Rio de Janeiro, ainda ajudaram mais à confusão. O pequeno Uruguai, liderado pelo republicano Artigas em revolta contra Espanha , acabou por ser integrado pela força das armas no império português meia dúzia de anos e foi depois uma efémera província do Brasil. Hoje, estes episódios a envolver quem falava português ajudam a singularizar o pequeno país por oposição à também hispanófona Argentina, à qual disputa, sem grandes hipóteses, ser a pátria de Gardel, mas reivindicando com toda a autoridade La Cumparsita, o tango dos tangos.

Pequeno e de respeito, pois, este Uruguai. Seja pelo desenvolvimento, por isso lhe chamam Suíça da América do Sul, seja por figuras admiráveis como Pepe Mujica. E também, diga-se, pelo futebol. Tinha dois milhões de habitantes quando foi campeão do mundo pela segunda vez, hoje tem três milhões e a verdade é que países com título igual só colossos como Brasil, Argentina, Espanha, França, Itália, Inglaterra ou Alemanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.