Tanto que o Papa deve às nossas caravelas

Nisto de contas da Igreja, e fé ou não à parte, sempre me pareceu que Portugal recebia pouco pelo muito que deu ao catolicismo, sobretudo à boleia das caravelas. De um lado, pouco mais de uma dezena de santos, meros dois cardeais em simultâneo a maior parte do tempo, um só Papa em 900 anos. Do outro, um primeiro rei a tudo fazer para oferecer território à cristandade, um século XIII brilhante com João XXI, Santo António e frei Lourenço de Portugal (embaixador papal ao Grão-Mongol), depois do século XV uma missionação que resultou no Brasil, o país com mais católicos no mundo, e também em Timor, o país asiático com maior percentagem de católicos, já para não falar nessa Índia onde a maioria dos 30 milhões de cristãos não tem apelido nem deixado pelos britânicos anglicanos nem herdado dos ortodoxos sírios que viviam na costa do Malabar antes de Vasco da Gama lá chegar; chamam-se, isso sim, Fernandes, Noronha, De Souza ou Dias (mesmo que pronunciem Dáias, como um dia ouvi em Bombaim).

Mas Francisco está a corrigir essa injustiça. Nomeou D. António Marto para cardeal, juntando-se aos outros portugueses para um excecional quarteto. E, por o bispo de Leiria-Fátima (sim, Fátima) ter menos de 80 anos, Portugal continuará a ter dois representantes no conclave que elegerá o próximo Papa, uma representação digna para um país de dez milhões quando o Brasil tem cinco e a Espanha também.

Argentino, desse Novo Mundo criado pelas caravelas, Francisco é jesuíta, e sabe bem como a Companhia de Jesus e Portugal, aliados desde a primeira hora (com Inácio de Loyola, Francisco Xavier e Simão Rodrigues), souberam criar novos mundos católicos da Amazónia a Nagasáqui. Numa época em que a Igreja se assume como global, quer na nomeação de cardeais (ontem foram sete não europeus em 14) quer na busca de um entendimento com a China, faz sentido reforçar os portugueses na sua máquina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.