Fui ao Irão espiar a tática de Carlos Koorosh

Carlos Queiroz, ou Koorosh, já era um herói no Irão ainda antes da vitória sobre Marrocos e da derrota mínima frente à Espanha. Estive em reportagem em Teerão em dezembro e só ouvi falar bem do técnico português, que pela segunda vez apurara a seleção iraniana para a fase final de um Mundial de futebol. Uma revista escolheu-o como figura desportiva do ano e chegou a ser recebido pelo presidente da república islâmica a quem ofereceu uma camisola da seleção.

"Um empate seria bom. Passavam os dois países aos oitavos", diziam por lá, com um misto de pragmatismo perante a equipa de Ronaldo e de gentileza persa, pois já se sabia que o terceiro e decisivo jogo da fase de grupos na Rússia seria um Irão-Portugal. Pois bem, sabe-se agora que o empate serve aos portugueses, mas pode não chegar para os iranianos passarem aos jogos a eliminar. Tudo depende do resultado dos espanhóis frente aos marroquinos.

Essa tremenda popularidade de Carlos Queiroz, Carlos Koorosh, em terras persas pode ser medida de muitas formas. A que mais me impressionou foi o cartaz gigante dele numa avenida grande de Teerão a promover um banco. E não era o único. Vi depois mais cartazes iguais, noutros pontos da capital. E a mensagem bem podia ser: "comigo as contas não têm surpresas". Que o digam os rivais no apuramento asiático - o Irão ganhou o seu grupo com sete pontos de avanço à Coreia do Sul, também qualificada para este Mundial.

Ora, nisto de contas hoje para o apuramento, suspeito que os iranianos não vão arriscar. Eles, mais do que ninguém, sabem o valor da matemática, ou não tivesse sido persa o célebre Al-Khwarizmi, (do seu nome derivam algarismo e algoritmo). Por isso, creio que vão jogar para ganhar, afinal o único resultado que lhes dá garantias de seguir em frente. E tenho fortes razões para dizer isto. Em Teerão, almocei com Aryan Ghasemi, que há sete anos trabalha com Queiroz na seleção iraniana. E que me disse: "as pessoas estão excitadas com o Mundial. E gostam da ideia de jogar contra Portugal. Acham que temos hipóteses porque Carlos Queiroz conhece muito bem como jogam os portugueses". Sim, Koorosh é já nome de herói persa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.