Na geopolítica do petróleo Portugal paga mais

O regresso das sanções americanas ao Irão depois do abandono do acordo nuclear por Trump é a mais óbvia justificação para a subida do preço do petróleo, que, com o barril de brent a 78 dólares, atinge os valores mais altos desde 2014. Mas a crise venezuelana, com desinvestimento crónico nas infraestrutura e disputas legais com empresas parceiras como a americana Conoco, também ajuda à atual valorização do crude. O Bank of America avançava a hipótese de o barril atingir os cem dólares neste ano, mesmo assim longe dos 145 do verão de 2008, que peritos calculam que, tendo em conta a inflação, equivaleriam a 160 dólares atuais.

Ora, com estes problemas dos 7.º e 8.º produtores a somarem-se a uma forte procura e também a alguma especulação, os 80 dólares por barril que ainda há dias a Bloomberg dizia estar nos planos da Arábia Saudita passam a ser uma perspetiva realista. E, assim, o reino de Salman e do príncipe herdeiro MbS surge como vencedor em toda a linha: vê os EUA tomarem o seu partido contra o Irão, o país dos ayatollahs com menos meios para a sua política expansionista no Médio Oriente, e garante ainda que a transição para uma sociedade saudita pós-petróleo se fará com uma maior almofada financeira, atenuando a possível contestação social e tirando argumentos aos defensores da ortodoxia religiosa wahabita, posta em causa por reformas como o direito das mulheres a conduzir já em junho.

Já os confrontos entre palestinianos e israelitas não afetam diretamente a cotação do crude, como também não o faz a guerra na Síria, mas ajudam a criar a instabilidade que favorece a alta dos preços e logo os produtores não diretamente afetados, como a Arábia Saudita, a Argélia, Angola ou a Rússia. Para esta última, tudo isto é uma benesse com efeito geopolítico global, pois o crude e o gás a preço de saldo faziam mais mossa do que as sanções por causa da Ucrânia. Portugal, por seu lado, está no campo dos que vão ter de pagar mais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.