Na geopolítica do petróleo Portugal paga mais

O regresso das sanções americanas ao Irão depois do abandono do acordo nuclear por Trump é a mais óbvia justificação para a subida do preço do petróleo, que, com o barril de brent a 78 dólares, atinge os valores mais altos desde 2014. Mas a crise venezuelana, com desinvestimento crónico nas infraestrutura e disputas legais com empresas parceiras como a americana Conoco, também ajuda à atual valorização do crude. O Bank of America avançava a hipótese de o barril atingir os cem dólares neste ano, mesmo assim longe dos 145 do verão de 2008, que peritos calculam que, tendo em conta a inflação, equivaleriam a 160 dólares atuais.

Ora, com estes problemas dos 7.º e 8.º produtores a somarem-se a uma forte procura e também a alguma especulação, os 80 dólares por barril que ainda há dias a Bloomberg dizia estar nos planos da Arábia Saudita passam a ser uma perspetiva realista. E, assim, o reino de Salman e do príncipe herdeiro MbS surge como vencedor em toda a linha: vê os EUA tomarem o seu partido contra o Irão, o país dos ayatollahs com menos meios para a sua política expansionista no Médio Oriente, e garante ainda que a transição para uma sociedade saudita pós-petróleo se fará com uma maior almofada financeira, atenuando a possível contestação social e tirando argumentos aos defensores da ortodoxia religiosa wahabita, posta em causa por reformas como o direito das mulheres a conduzir já em junho.

Já os confrontos entre palestinianos e israelitas não afetam diretamente a cotação do crude, como também não o faz a guerra na Síria, mas ajudam a criar a instabilidade que favorece a alta dos preços e logo os produtores não diretamente afetados, como a Arábia Saudita, a Argélia, Angola ou a Rússia. Para esta última, tudo isto é uma benesse com efeito geopolítico global, pois o crude e o gás a preço de saldo faziam mais mossa do que as sanções por causa da Ucrânia. Portugal, por seu lado, está no campo dos que vão ter de pagar mais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).