Presidente italiano sem medo dos populistas

Foi quando o irmão Piersanti, presidente do governo da Sicília, foi morto pela máfia que Sergio Mattarella entrou na política. A informação serve para mostrar o óbvio: o atual presidente italiano é um homem de coragem, tão corajoso que ontem barrou o caminho a Giuseppe Conte, primeiro-ministro indigitado pela aliança entre a Liga e o Movimento 5 Estrelas.

Não agradou a Mattarella que o futuro ministro da Economia fosse um eurocético e Conte não deu sinais de querer procurar alternativa, pelo que a rutura se consumou e agora o provável é o presidente nomear um governo técnico que, na impossibilidade de ser aprovado no Parlamento, conduzirá o país só até às novas eleições.

À frente da Liga, partido que desde que deixou de ser do Norte é cada vez mais xenófobo, Matteo Salvini mostra-se entusiasmado com a perspetiva de regresso às urnas, ambicionando reforçar a sua liderança no campo da direita, quem sabe mesmo até competir com o parceiro de circunstância, esse 5 Estrelas que ideologicamente só é definível como antissistema mas que ganhou em março.

Mas não foi a Paolo Savona, economista e antigo ministro a Indústria, ou a Conte, jurista de currículo duvidoso, que Mattarella disse não. Foi sim a um governo populista no pior dos sentidos, pois previa cortes nos impostos na ordem dos 20 mil milhões de euros e um aumento da despesa do Estado em 80 mil milhões, criando um buraco orçamental de 100 mil milhões que os economistas sérios não veem como pode ajudar a Itália, oitava economia mundial e o país da Fiat e da Generali, a voltar a crescer que se veja (na última década fez pior do que Portugal).

Percebe-se que os italianos estejam zangados com a classe política, seja o velho Silvio Berlusconi ou o jovem Matteo Renzi, mas a coragem de Mattarella, saindo em defesa do projeto europeu, da confiança dos investidores e das poupanças dos cidadãos, deveria servir de exemplo de resistência perante os novos cantos de sereia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.