Vem aí a Quinta Guerra Mundial?

Leonídio Paulo Ferreira
© Batalha de Guararapes

Vem aí a Terceira Guerra Mundial, grita-se demasiadas vezes, agora por causa da Síria e do possível choque entre americanos e russos, mas ainda há uns meses devido aos testes nucleares norte-coreanos. E ainda era pior durante a Guerra Fria, quando americanos e soviéticos patrocinavam rivais em conflitos mundo fora. Vamos ter um pouco de calma e refletir: uma Guerra Mundial exige ser combatida por pelo menos duas potências em vários continentes em simultâneo (quatro?) e envolver, mesmo que em papéis secundários, aliados locais. Um critério que, segundo os historiadores, só por duas vezes foi cumprido, como bem sabe quem aprendeu que a Primeira Guerra Mundial foi travada em 1914-1918 essencialmente por britânicos e franceses contra os alemães (sim, também havia nos dois lados russos, austro-húngaros e turcos a combater) e que a Segunda Guerra Mundial opôs entre 1939 e 1945 britânicos, americanos e soviéticos (sim, também chineses e franceses) contra os alemães, os japoneses e os italianos.

Mas em vez de Terceira Guerra Mundial talvez se devesse antes falar na Quinta. Num artigo publicado em 2014, por ocasião do centenário da Primeira Guerra Mundial, que até começou por ser só Grande Guerra (para os britânicos e os franceses) e Guerra Mundial (para os alemães), a The Economist desafiava a sabedoria convencional com o título "Why the first world war wasn't really", que se pode traduzir mais ou menos como "por que a Primeira Guerra Mundial não o foi realmente". E qual era a tese da revista britânica? Que a chamada Guerra dos Sete Anos travada entre britânicos e franceses merecia sim essa designação, afinal entre 1756 e 1763 duas potências europeias combateram na América do Norte e nas Caraíbas, no litoral africano, na Índia também, além do Velho Continente. Cada lado contou com aliados entre os índios da América como entre os principados indianos. Portugal, tradicional aliado dos britânicos, foi igualmente participante, sofrendo uma invasão espanhola no norte, além de ver o Brasil atacado. O grande vencedor foi o Império Britânico, com a França - apesar do fulgor napoleónico pelo meio - a ter de esperar mais de um século para voltar a ser uma potência global, com novas colónias.

Um artigo da BBC também de 2014 avançava com tese semelhante à da The Economist, sob o título "WW1: Was it really the first world war?", ou seja, "Primeira Guerra Mundial: foi ela realmente a primeira guerra mundial?". Em defesa da Guerra dos Sete Anos, o site da cadeia pública britânica salientava que esta foi mais global do que as de 1914--1918 e de 1939-1945, pois até se combateu no continente americano (o Havai, atacado pelos japoneses em 1941, tecnicamente faz parte da Oceânia).

Se os historiadores aceitassem os argumentos da The Economist e da BBC, há muito, pois, que a Terceira Guerra Mundial já aconteceu, tendo terminado em 1945 com as bombas atómicas sobre o Japão. Mas as duas publicações britânicas, se saíssem do contexto anglo-saxónico, poderiam ter recuado à passagem do século XVI para o XVII e encontrado outro conflito fortíssimo candidato a ser, realmente, a Primeira Guerra Mundial: a chamada Guerra Luso-Holandesa. Sim, leu bem. Portugueses e holandeses andaram à luta não por meio mundo, mas sim pelo mundo todo.

As datas que balizam o conflito são 1595-1663. Recém-independente da Espanha, a República das Províncias Unidas ataca o Império Português, então sob domínio dos Filipes. Primeiro é um saque ao Recife, depois outro a São Tomé, e de repente uma ofensiva global contra Brasil, Angola, Moçambique, Goa, Ceilão, Malaca, Macau e uma imensidão de ilhas das especiarias, a atual Indonésia. Mesmo quando Portugal restaura a independência, e tem de combater na Europa contra Espanha para a garantir, os holandeses persistem na ofensiva, que ao acabar mostra um resultado de quase empate. Portugal conseguiu reconquistar o nordeste brasileiro e Luanda, manteve Moçambique, Goa e Macau, mas perdeu o Ceilão (hoje Sri Lanka), Malaca e quase todas as ilhas das especiarias, com exceção de Timor, mesmo assim repartido com os holandeses, que contavam com o apoio das tribos da metade ocidental.

No Brasil, a maioria das tribos índias combateu por Portugal. Com tantos casamentos entre os católicos portugueses e as indígenas (algo que os calvinistas evitavam), foi, no fundo, uma vitória com ajuda dos nossos sogros, cunhados e primos. A batalha decisiva foi em 1649 a de Guararapes (ver pintura que está no Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro) e cinco anos depois deste combate perto do Recife a rendição foi oficial, com os holandeses a deixar o Brasil para sempre.

Especule-se então agora, sabendo-se destas Guerra Luso-Holandesa e Guerra dos Sete Anos, que se vier aí alguma nova guerra mundial terá de ser a Quinta.