Quando Steve Ditko (não) apareceu na BBC

Criador de heróis da BD como Homem-Aranha ou Doutor Estranho, Steve Ditko não gostava de ser filmado - o que não impediu que Jonathan Ross lhe dedicasse um belo documentário

Mesmo quando não conhecemos os infindáveis labirintos do universo da banda desenhada, o nome de Steve Ditko convoca-nos como uma referência histórica e mítica. Os recentes filmes da Marvel com Homem-Aranha e Doutor Estranho - personagens que ele criou, em aliança com o não menos lendário Stan Lee - trouxeram-lhe uma merecida popularidade perante as gerações mais jovens.

Que o cinema da Marvel esteja cada vez mais formatado e previsível, eis um estado de coisas que o nosso empenhamento cinéfilo não pode deixar de lamentar (o filme Doutor Estranho, com Benedict Cumberbatch, lançado em 2016, é ainda assim uma boa excepção a tal rotina). Em qualquer caso, há uma saborosa ironia no modo como Ditko viveu a sua popularidade. Num mundo mediático em que o "aparecer" tende a ser mais valorizado do que o "ser", Ditko, mestre das imagens e suas nuances, era um lobo solitário que não abdicava do secretismo da sua toca - de tal modo que as fotografias que dele se conhecem terão sido obtidas, de um modo geral, há meio século ou mais.

Ironicamente, uma prova eloquente da sua postura existencial é o documentário de uma hora de duração que Jonathan Ross lhe dedicou, na BBC, corria o ano de 2007. O título é esclarecedor: In Search of Steve Ditko (à letra: "À procura de Steve Ditko"). Acontece que Ditko não está presente, a não ser através de muitos materiais antigos do seu trabalho que colocou à disposição de Ross - de resto, recusou ser filmado, não aceitando sequer a possibilidade de gravar algum tipo de declaração ou entrevista. O documentário está disponível na Net e pode ser uma bela viagem iniciática através do mundo criativo de Ditko.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.