Quando Steve Ditko (não) apareceu na BBC

Criador de heróis da BD como Homem-Aranha ou Doutor Estranho, Steve Ditko não gostava de ser filmado - o que não impediu que Jonathan Ross lhe dedicasse um belo documentário

Mesmo quando não conhecemos os infindáveis labirintos do universo da banda desenhada, o nome de Steve Ditko convoca-nos como uma referência histórica e mítica. Os recentes filmes da Marvel com Homem-Aranha e Doutor Estranho - personagens que ele criou, em aliança com o não menos lendário Stan Lee - trouxeram-lhe uma merecida popularidade perante as gerações mais jovens.

Que o cinema da Marvel esteja cada vez mais formatado e previsível, eis um estado de coisas que o nosso empenhamento cinéfilo não pode deixar de lamentar (o filme Doutor Estranho, com Benedict Cumberbatch, lançado em 2016, é ainda assim uma boa excepção a tal rotina). Em qualquer caso, há uma saborosa ironia no modo como Ditko viveu a sua popularidade. Num mundo mediático em que o "aparecer" tende a ser mais valorizado do que o "ser", Ditko, mestre das imagens e suas nuances, era um lobo solitário que não abdicava do secretismo da sua toca - de tal modo que as fotografias que dele se conhecem terão sido obtidas, de um modo geral, há meio século ou mais.

Ironicamente, uma prova eloquente da sua postura existencial é o documentário de uma hora de duração que Jonathan Ross lhe dedicou, na BBC, corria o ano de 2007. O título é esclarecedor: In Search of Steve Ditko (à letra: "À procura de Steve Ditko"). Acontece que Ditko não está presente, a não ser através de muitos materiais antigos do seu trabalho que colocou à disposição de Ross - de resto, recusou ser filmado, não aceitando sequer a possibilidade de gravar algum tipo de declaração ou entrevista. O documentário está disponível na Net e pode ser uma bela viagem iniciática através do mundo criativo de Ditko.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...