Quando Steve Ditko (não) apareceu na BBC

Criador de heróis da BD como Homem-Aranha ou Doutor Estranho, Steve Ditko não gostava de ser filmado - o que não impediu que Jonathan Ross lhe dedicasse um belo documentário

Mesmo quando não conhecemos os infindáveis labirintos do universo da banda desenhada, o nome de Steve Ditko convoca-nos como uma referência histórica e mítica. Os recentes filmes da Marvel com Homem-Aranha e Doutor Estranho - personagens que ele criou, em aliança com o não menos lendário Stan Lee - trouxeram-lhe uma merecida popularidade perante as gerações mais jovens.

Que o cinema da Marvel esteja cada vez mais formatado e previsível, eis um estado de coisas que o nosso empenhamento cinéfilo não pode deixar de lamentar (o filme Doutor Estranho, com Benedict Cumberbatch, lançado em 2016, é ainda assim uma boa excepção a tal rotina). Em qualquer caso, há uma saborosa ironia no modo como Ditko viveu a sua popularidade. Num mundo mediático em que o "aparecer" tende a ser mais valorizado do que o "ser", Ditko, mestre das imagens e suas nuances, era um lobo solitário que não abdicava do secretismo da sua toca - de tal modo que as fotografias que dele se conhecem terão sido obtidas, de um modo geral, há meio século ou mais.

Ironicamente, uma prova eloquente da sua postura existencial é o documentário de uma hora de duração que Jonathan Ross lhe dedicou, na BBC, corria o ano de 2007. O título é esclarecedor: In Search of Steve Ditko (à letra: "À procura de Steve Ditko"). Acontece que Ditko não está presente, a não ser através de muitos materiais antigos do seu trabalho que colocou à disposição de Ross - de resto, recusou ser filmado, não aceitando sequer a possibilidade de gravar algum tipo de declaração ou entrevista. O documentário está disponível na Net e pode ser uma bela viagem iniciática através do mundo criativo de Ditko.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.