Na intimidade de Trump

De que falamos quando falamos das conversas privadas entre uma figura pública e o seu advogado? Ou como não é fácil lidarmos com as histórias quotidianas de Donald Trump

​​​​​​​​​​​​​​ 1. O caso Michael Cohen/Donald Trump desenvolve-se a uma velocidade estonteante. O que dizemos ou escrevemos agora, pode (e deve) ser reavaliado daí a pouco tempo. Em boa verdade, nem sabemos muito bem como caracterizar as novas medidas do tempo - não apenas para a prática e o pensamento jornalístico, mas na própria concretização de todas as relações humanas.

2. O facto de Cohen se mostrar disponível, agora (27 Julho), para responder à comissão liderada por Robert Mueller - testemunhando que Trump tinha conhecimento da reunião com enviados russos, na Trump Tower, em Junho de 2016 - introduz um novo e dramático dado cujas ondas de choque apenas começamos a pressentir. Vale a pena, por isso, recuar alguns dias, tentando, pelo menos, inventariar alguns elementos deste turbilhão mediático e político.

3. Como foi amplamente noticiado (25 Julho), Michael Cohen, advogado de Donald Trump, anunciou possuir gravação de uma conversa com o seu cliente sobre as suas relações com Karen McDougal, ex-modelo da revista Playboy . A gravação serviria de prova do facto de Trump ter, de facto, discutido com Cohen a possibilidade de aquisição dos direitos de publicação de uma história sobre uma alegada relação McDougal/Trump. Foi a CNN a divulgar essa gravação.

4. Estamos perante um exemplo, mais um, dos modos de actuação do actual Presidente dos EUA, menosprezando toda e qualquer relação humana. Ou ainda: depois de tantos e tão chocantes exemplos de indiferença pelos mais básicos valores humanistas - do achincalhar das mulheres à abordagem irresponsável da geo-política -, até onde poderá chegar a mediocridade de Trump? As perguntas são tanto mais delicadas quanto nos levam a questionar outro tipo de problemas. A saber: como lidar, no plano da informação, com o terramoto Trump?

5. Ora, precisamente, Trump, o próprio, devolve-nos tais problemas com uma outra pergunta, falsamente ingénua, formulada num dos seus tweets sobre o assunto: "Que espécie de advogado grava as conversas com um cliente?"

Feliz ou infelizmente, a pergunta de Trump não é banal nem indiferente. Porquê? Porque nos remete para os fantasmas de um novo modelo de vivência das relações público/privado. Ou ainda: a pergunta é legítima.

6. Não se trata, entenda-se, de simplificar, muito menos atenuar, as monstruosidades morais de que Trump tem sido protagonista. Trata-se, isso sim, de reconhecer que a gravação efectuada por Cohen e, agora, a sua divulgação pública ilustram um modo de abordagem das relações humanas em que o obsceno foi promovido à condição de natural. É esse o mundo em que passámos a viver. Não é exactamente a intimidade que está ameaçada. É mais do que isso: a própria noção de intimidade passou a ser automaticamente desvalorizada.

7. Face a todas estas convulsões, não sei o que seja um ponto de vista moralmente puro - e seria o último a reivindicá-lo para mim próprio. Afinal, é inevitável reconhecer que a gravação de Cohen e o seu depoimento serão factores determinantes no complexo processo político, moral e mediático que está em curso. Apesar disso - aliás, por causa disso mesmo - é ainda mais perturbante o facto de ser o próprio Donald Trump a formular uma pergunta essencial que quase todos nós tentamos contornar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.