Luzes e cores de Acácio de Almeida

Vi recentemente dois belos filmes portugueses, a lançar durante o mês de Setembro: Cisne e A Morte de Carlos Gardel (estreias a 8 e 22, respectivamente). No primeiro, Teresa Villaverde prolonga o seu labirinto de muitas solidões, sempre em íntima ligação com o universo da infância; no segundo, Solveig Nordlund parte do romance homónimo de António Lobo Antunes para construir uma perturbante teia dramática que envolve a saga familiar de um jovem toxicodependente. São dois filmes que, além do mais, possuem um importante nome comum: ambos contam com a impecável direcção fotográfica de Acácio de Almeida, talentoso veterano do cinema português.

Vivemos num contexto de perversa desvalorização dos profissionais portugueses de cinema. Desde logo, porque o triunfo (estético, económico e simbólico) dos registos "telenovelescos" impôs um sistema de valores que tende a menosprezar as qualidades específicas de quem faz, ou tenta fazer, cinema. Depois, porque a escassa presença dos filmes portugueses nas estatísticas do mercado (somos dos países europeus com pior performance da produção cinematográfica nacional) vai sustentando muitas formas de demagogia social e cegueira cultural. A esse propósito, e para começarmos a compreender as fragilidades do nosso mercado, seria salutar discutir um pouco os efeitos de décadas e décadas de desvalorização (televisiva) do cinema.

Além do mais, o trabalho de Acácio de Almeida simboliza uma salutar agilidade criativa que se traduz na disponibilidade para lidar com os contrastes da própria técnica: Cisne é rodado em película "tradicional", enquanto A Morte de Carlos Gardel tira partido dos recursos das modernas câmaras digitais. Em ambos os casos, deparamos com uma muito clássica (e sofisticada) capacidade de lidar com as fontes de luz natural, ao mesmo tempo explorando uma paleta de cores que não se sobrepõe à narrativa, antes potencia as suas componentes dramáticas.

Em boa verdade, podemos encontrar esse tipo de atitude em momentos emblemáticos de uma filmografia com mais de quatro décadas. Antes do mais, em filmes das cineastas que Acácio de Almeida aqui reencontra: foi ele que fotografou, por exemplo, Nem Pássaro Nem Peixe (Solveig Nordlund, 1977) e Os Mutantes (Teresa Villaverde, 1998). Depois, em títulos que, no contexto português e internacional, já adquiriram o estatuto de clássicos. Penso, por exemplo, em O Passado e o Presente (1972), de Manoel de Oliveira, Brandos Costumes (1975), de Alberto Seixas Santos, Trás-os-Montes (1976), de António Reis e Margarida Cordeiro, e A Cidade Branca (1983), de Alain Tanner. Este último, há pouco reeditado no mercado de DVD, transformou-se mesmo num cartão de visita internacional da cidade de Lisboa: ironicamente, uma certa imagem de marca, poética e metafísica, da nossa capital continua a passar pelo olhar de um cineasta suíço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.